Estrelas de Books of Blood falam o que pensam sobre o sobrenatural

Anna Friel e Rafi Gavron (Divulgação)
Anna Friel e Rafi Gavron (Divulgação)

Books of Blood, novo filme do Hulu foi inspirado nos contos do autor Clive Barker. A trama do longa metragem se concentra em uma mulher em luto que é visitada por um homem que afirma poder falar com espíritos, o que inclui a transmissão de mensagens de seu filho recentemente falecido. Tanto os personagens quanto o público ficam se perguntando se a figura é um vigarista tentando explorar a mulher, ou se suas impressionantes habilidades são realmente sobrenaturais por natureza.

Em uma recente entrevista para o site Comic Book, Anna Friel e Rafi Gavron, as estrelas do filme, abriram o jogo sobre o que pensam sobre o sobrenatural.

“Eu acho que há certas pessoas que foram capazes de usar certas partes de seus cérebros que outras pessoas não conseguem”, começou Friel. “Vimos objetos sendo movidos e pessoas predizem certos aspectos do futuro, mas acho que há pessoas que atacam os vulneráveis ​​e usam isso e afirmam ser capazes de fazer essas coisas notáveis. Não acredito em nada, somos um planeta minúsculo, minúsculo em um universo gigantesco e espero que haja mais do que coisas e espero que nossas almas vão a algum lugar. Enquanto isso, podemos criar nossa própria narrativa e dizer o que achamos que acontece. Você não quer ser mau nesta vida, se Books of Blod for considerado um evangelho. “

Gavron acrescentou: “É o mesmo conceito para mim, ou seja, normalmente respondo a isso como baboserias, mas, ao mesmo tempo, não posso provar que não seja o caso. E concordo com Anna quanto a isso, talvez não um sexto sentido, mas um quinto sentido, quase, onde as pessoas são incrivelmente observadoras e sintonizadas de uma forma que é na verdade menos sobrenatural e mais científica que acaba se apresentando como sobrenatural, porque está muito além do que uma pessoa comum pode fazer, no que diz respeito à entrada”.

Procurando respostas

Ainda na entrevista,  Anna Friel revelou que ela até teve seu próprio encontro com o desconhecido. “Eu e meu pai, lembro que tentamos encontrar todas as respostas científicas possíveis, houve um pequeno sino de latão e meu pai e eu, e eu tinha cerca de 10 anos, estávamos apenas assistindo TV, e simplesmente moveu de um lado para o outro e meu pai é um grande cético e nós dois apenas pensamos, ‘Ok, mas como isso aconteceu?’. Pensando nas frequências da televisão, e não havia motivo nem rima”, lembrou a atriz.

Formado em administração e psicologia. Adora cartoons, animes e series animadas. Atualmente faz curso de desenho com especialização em cartoons.