Estudo faz revelação importante sobre fãs de filmes de terror e pandemia de COVID-19

David H. Thornton como Art o Palhaço em Aterrorizante 2 (Divulgação)
David H. Thornton como Art o Palhaço em Aterrorizante 2 (Divulgação)

Quando a pandemia causada pelo coronavírus surgiu muita gente acreditou que estava vivendo um tipo estranho de apocalipse zumbi. Supermercados ficarem lotados, pessoas estavam estocando papel higiênico, e brigando fisicamente por causo de álcool em gel, algo só imaginável em filmes e séries de TV. Um novo estudo está sugerindo que fãs de filmes de terror estão reagindo de forma mais branda aos efeitos do distanciamento social.

A pesquisa publicada na Evolutionary Studies in Imaginative Culture descobriu que os fãs de filmes de terror – particularmente aqueles que cercam catástrofes maciças – têm lidado melhor com a pandemia. O estudo foi conduzido pelo psicólogo Coltan Scrivner, da Universidade de Chicago, e mostrou que essas pessoas podem ter uma uma predisposição adaptativa para “aprender sobre os aspectos perigosos e nojentos de uma ameaça”.

“Se é um bom filme, ele te puxa para dentro e você toma a perspectiva dos personagens, então você está ensaiando involuntariamente os cenários”, disse Scrivner ao jornal The Guardian. “Achamos que as pessoas estão aprendendo de forma vicária. É como, com exceção da escassez de papel higiênico, eles praticamente sabiam o que comprar. Você já viu isso cem vezes nos filmes, então não te pega tão desprevenido”, continuou o pesquisador.

O estudo analisou os históricos das pessoas e as preferências do gênero cinematográfico, e como isso se relacionava com o sentimento de preparo de um indivíduo durante a pandemia atual. Descobriu-se que aqueles que gravitavam em direção à mídia relacionada ao horror, especialmente aqueles que envolvem algum tipo de evento de colapso da sociedade, procuraram a mídia como uma forma de escapismo, ao mesmo tempo em que os faziam sentir como se tivessem experimentado esse tipo de situação.

“O aumento do interesse por esses gêneros pode implicar que indivíduos mórbidos e curiosos se sentiram mais interessados em informações sobre ameaças de forma mais ampla em resposta ao aumento da ameaça do Coronavírus. No entanto, outra possibilidade é que o interesse mais amplo em gêneros assustadores/sobrenaturais e misteriosos/thrillers entre indivíduos mórbidos curiosos durante a pandemia se deve ao escapismo. Como indivíduos mórbidos curiosos são geralmente mais toleráveis e até mesmo atraídos por fenômenos mórbidos, eles podem achar o entretenimento mórbido mais agradável como uma forma de escapismo enquanto estão em quarentena em casa, enquanto aqueles que são menos mórbidos curiosos podem participar do escapismo através de outros gêneros.”, concluiu. E você? O que anda assistindo nesta pandemia?