Finn Wolfhard revela o que sentiu após algo bastante inesperado ocorrer em Stranger Things

Millie Bobby Brown e David Harbour em cena da terceira temporada de Stranger Things (Imagem: Reprodução)

No mês passado a Netflix divulgou um teaser com as primeiras imagens da 4ª temporada de Stranger Things. Na prévia o público teve a confirmação de que Jim Hopper, interpretado por David Harbour, está mesmo vivo. Muito era especulado sobre o destino do personagem e finalmente foi revelado que ele está preso na Rússia.

No entanto, Finn Wolfhard, que vive Mike Wheeler na série, ficou surpreso com a revelação da sobrevivência de Hopper, depois de ter ficado subentendido que ele estava morto no final da 3ª temporada. Para o ator o vídeo saiu muito rápido.

“Acho que foi planejado, porque há um certo tempo até que as pessoas descubram que David Harbour está de volta ao set e começam a falar sobre isso. Eu acho que a Netflix meio que cortou isso pela raiz muito cedo”, disse em entrevista à NME. Wolfhard acrescentou: “Eu nem sabia que o trailer estava saindo até o momento em que eu o publiquei no Instagram! Então eu estava empolgado. Eu sabia que Hopper estava vivo, eu simplesmente não sabia que o trailer sairia. Então agora estou realmente empolgado para que todos vejam”.

A Netflix enviou um comunicado à imprensa para falar sobre o retorno oficial do personagem de David Harbour. “Estamos empolgados em confirmar oficialmente que a produção de Stranger Things 4 está em andamento – e ainda mais empolgados em anunciar o retorno de Hopper! Embora nem todas sejam boas notícias para o nosso “americano”; ele está preso longe de casa, no deserto nevado de Kamchatka, onde enfrentará perigos tanto humanos… quanto outros. Enquanto isso, nos Estados Unidos, um novo horror está começando a surgir, algo enterrado há muito tempo, algo que conecta tudo”, afirmou [via NME].

No vídeo compartilhado pela Netflix, Jim Hopper aparece como prisioneiro e trabalhando para os russos. Confira:

 

Assista também ao vídeo dos bastidores:

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.