Franquia John Wick quase ganharia outro nome, não fossem erros de Keanu Reeves

Keanu Reeves
Keanu Reeves em trailer de John Wick 3: Parabellum (Reprodução/YouTube – Lionsgate Movies)

Muita gente não imagina, mas a franquia de filmes John Wick ganharia outro nome não fosse Keanu Reeves. O astro de ação, acabou escolhendo o nome da produção indiretamente por um fator curioso: ele errava o nome anterior dos roteiros. O primeiro filme da saga havia sido batizado com o nome de Scorn, porém “Reeves seguia falando sobre ele com o título errado”, disse o roteirista Derek Kolstad numa entrevista ao site Comicboook.com.

“A única razão pela qual se chama John Wick é que Keanu continuava se referindo a ele assim [em entrevistas]. O marketing do filme disse que isso significava de quatro a cinco milhões de dólares em publicidade gratuita, então resolvemos que era John Wick ao invés de Scorn”, disparou ele.

Kolstad explicou que a mudança foi a melhor coisa que aconteceu porque John Wick acabou pegando tanto como nome do filme como do personagem, e foi algo muito mais significativo para a cultura pop do que Scorn, sobretudo dentro do mercado de filmes de ação.

O primeiro filme da franquia, datado de 2014 teve orçamento de apenas 20 milhões de dólares, e conseguiu fazer grande sucesso, alcançando a marca de 88 milhões de dólares nas bilheterias globais. Os filmes seguintes conseguiram conquistar uma fatia de público (e de lucro) ainda maior, arrecadando 171 milhões de dólares, e 326 milhões de dólares respectivamente.

O quarto filme será lançado em maio de 2022. Enquanto isso, Kolstad se dedica a outros projetos: adaptar dois diferentes jogos de vídeo game de ação para séries de TV (que ainda não se sabe se serão séries animadas ou live-action). Trata-se de My Friend Pedro, jogo em que uma banana chamada Pedro guia o jogador, que precisa cumprir missões e passar por diferentes universos matando os inimigos a tiros, e Bendy and The Ink Machine, um jogo de terror em primeira pessoa que mostra combates por sobrevivência.