Frustrado por boicote da Warner Bros., diretor revela ideias para filme do Exterminador

Joe Manganiello como Exterminador (Reprodução)

Um dos projetos que a Warner Bros iniciou junto com a DC e que foi esquecido no churrasco foi o filme solo do Exterminador, famoso vilão da DC Comics, e que já aparece em diversas obras como Arrow, Teen Titans, Titans, e até mesmo Teen Titans Go. Anunciado em 2017 quase ao mesmo tempo que o lançamento de Liga da Justiça, o filme foi sumindo dos planos silenciosamente.

Joe Manganiello que reprisaria o seu personagem, chegou a insistir que o longa ainda estava em andamento em 2018, mas nada aconteceu, e os envolvidos entenderam que o estúdio havia desistido do projeto. Em uma nova entrevista para o Yahoo Movies UK, o diretor Gareth Evans, explica suas ideias para o longa, assim como deu detalhes sobre o visual do protagonista.

“Na verdade, eu estava bastante entusiasmado e empolgado na época, quando foi proposta pela primeira vez para mim. Eu me encontrei com eles [Equipe da Warner Bros.] e conversei sobre isso, e certamente estava apegado a ele em um determinado momento. Também falei com Joe Manganiello, que estava empolgado em estrelar como Exterminador. Falei com ele há um tempo e nós dois lamentamos o fato de que isso não aconteceu de fato”.

Evans explicou que sua ideia era usar artes marciais avançadas no filme, algo que fizesse o público se lembrar imediatamente dos quadrinhos, acrescentando que tudo parecia muito divertido no campo das ideias. “Tínhamos ideias do tipo de estilo que teríamos adotado, que casaria com o estilo mais básico que eu tenho, mas, por causa do universo [dos heróis], isso me permitiria ser um pouco mais extravagante e um pouco mais estilizado. Poderíamos ter levado isso para algumas áreas realmente interessantes… Tivemos algumas ideias bastante ousadas, que poderiam ter sido realmente viscerais e muito divertidas”.

Segundo ele, sua ideia era sair do estilo de filme popular na Marvel, com mais de duas horas de duração e apostar em algo com 1h40m: “Eu queria contar algo que seria uma história enxuta, que seria uma espécie de origem desse personagem. Naquela época, eu era massivamente influenciado pelos filmes noir que saíam da Coréia do Sul, então esse era o meu argumento. Esses filmes são incríveis: a textura, os tons das cores, o tom da interpretação e a agressividade deles são superinteressantes de se usar para contar a história do Exterminador”, disparou ele que disse que não foi comunicado sobre motivos pelos quais o projeto não aconteceu, mas que ainda está interessado se a Warner também estiver.