George R. R. Martin critica cena envolvendo Daenerys e Drogo em Game of Thrones

Daenerys e Drogo em Game of Thrones (Reprodução / HBO)
Daenerys e Drogo em Game of Thrones (Reprodução / HBO)

Recentemente foi lançado o livro Fire Cant Kill a Dragon, escrito por James Hibberd e que conta diversos detalhes da produção de Game of Thrones, um das séries de maior sucesso da HBO. De acordo com o IndieWire, algumas páginas do livro retratam um das cenas mais polêmicas da série que aconteceu logo no primeiro episódio: as núpcias de  Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) e Khal Drogo (Jason Momoa).

Quem assistiu, ou até mesmo que não assistiu, sabe que Game of Thrones é uma série repleta de violência, principalmente para com as femininas. E no primeiro episódio da série vimos a cena de sexo não consensual entre Daenerys e Drogo logo após o casamento deles. No livro de Hibberd, George R. R. Martin, criador da saga livros As Crônicas de Gelo e Fogo, criticou tal cena.

“Por que a cena do casamento mudou da cena de sedução consensual para o estupro brutal de Emilia Clarke?” Martin perguntou a Hibberd. “Nós nunca discutimos isso. Tornou tudo pior, não melhor. ” No romance Game of Thrones de Martin, Drogo tenta acalmar os nervos de Daenerys antes que eles façam sexo, enxugando suas lágrimas de nervosismo e ensinando-a a desamarrar suas tranças. Quando Drogo tenta seduzir Daenerys de forma mais explícita, ela lhe dá permissão dizendo “sim” quando ele pergunta se está tudo bem para tocá-la.

A resposta dos criadores de GoT

Embora Martin diga que não sabia que a mudança seria feita, os produtores David Benioff e D. B. Weiss defendem a mudança. Benioff disse no livro: “Aqui está uma garota que está absolutamente apavorada com esse guerreiro bárbaro com quem está se casando, é a última coisa que ela deseja no mundo, mas de alguma forma, no final desta noite de núpcias, ela parece estar em um relação sexual completamente alegre com ele. Não funcionou inteiramente para nós”.

“No segundo episódio, ela tem que voltar ao relacionamento menos consensual e mais áspero”, acrescentou Weiss. “No livro isso funciona, mas simplesmente não tínhamos esse tempo e acesso à mente do personagem. Acontece muito rápido. Foi algo que os próprios atores sentiram que não estava se solidificando”.

Formado em administração e psicologia. Adora cartoons, animes e series animadas. Atualmente faz curso de desenho com especialização em cartoons.