Goosebumps vai ganhar nova série live-action

Goosebumps
Goosebumps (Imagem: Divulgação)

A série de livros infanto-juvenis Goosebumps ganhará uma nova adaptação live-action para televisão. Escrita por R.L. Stine, Goosebumps (“Arrepios”, em tradução livre) apresenta contos e novelas de horror para crianças e adolescentes. Publicados entre 1995 e 1998, os livros foram levados à televisão e exibidos no extinto Fox Kids e acabou ganhando status de Cult entre os saudosos do canal, que deu lugar em 2002 ao Jetix, hoje Disney XD.

De acordo com o Deadline, o projeto de adaptação da série está sendo tocado por Neal H. Moritz, o mesmo nome que levou Goosebumps aos cinemas em uma produção estrelada por Jack Black, em 2015, que também rendeu uma continuação.

“Adorei fazer os filmes Goosebumps e mal posso esperar por trazer mais histórias incríveis de R. L. Stine, através de uma série televisiva destinada para adultos e crianças”, declarou Moritz em um comunicado oficial.

R.L. Stine, que já foi chamado de “Stephen King das crianças” publicou 62 livros entre 1992 e 1997, ao todo suas obras venderam mais de 400 milhões de cópias e foram traduzidas para 32 línguas, colocando o autor entre os grandes nomes da literatura infanto-juvenil.  Não há previsões de estreia, ou para o começo das filmagens da série.

A última produção da série feita para o cinema, intitulada Goosebumps 2: Halloween Assombrado não foi bem sucedido nem pela crítica e tampouco pelo público. Apenas no site Rotten Tomatoes, o filme contou com 48% de aprovação, através de 94 avaliações.

“Goosebumps 2: Haunted Halloween oferece um punhado de guloseimas para telespectadores muito jovens, mas comparada com o original divertido, essa sequela é um ding dong de se livrar”, concluiu o consenso dos críticos.

“É inútil e sem graça. Como um Jumanji no porão da barganha. A luta pelo elenco da lista Z”, disparou Kevin Maher, a Times, do Reino Unido. Produzindo menos solavancos e risadinhas que seu antecessor, os resultados são mais parecidos com um software de babá funcionalmente programado do que qualquer trabalho da imaginação”, disse Mike McCahill, do The Guardian.

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.