Ibope traz informação REVELADORA sobre maratonas de madrugada no streaming

Streaming (Imagem: Reprodução)

Maratonar uma série tornou-se algo comum com o advento da Netflix. O hábito se associou a um estilo de vida no qual os assinantes de serviços de streaming passam noites adentro consumindo episódios seguidos muitas vezes até o amanhecer. Porém, esse costume pode ser muito menos prevalecente no Brasil, do que em outros países. 

Dados do Kantar Ibope Media, divulgados pela coluna Ooops!, de Ricardo Feltrin, do UOL, a respeito do consumo de streaming no país, garantiram que se a madrugada é uma “faixa morta” para televisão, também é para o streaming.

Os levantamento durante o mês de maio, coletados entre meia-noite e 6h da manhã, mostram que o streaming alcança 3,1 pontos na média nacional, menos da metade dos 6,9 pontos, audiência alcançada pelos serviços On Demand durante o chamado horário comercial das 07h a 0h.

Durante esse horário mais comercial o streaming supera a audiência de toda televisão paga, porém, de madrugada o cenário se inverte e os canais por assinatura assumem a liderança por 0,5 pontos. Cada ponto completo equivale a aproximadamente 250 mil domicílios. O horário mais propenso para as maratonas é entre 18h e 00h quando o streaming bate cerca de 8,8 pontos. 

Em contrapartida, o instituto demonstra que desde o início da quarentena, imposta como medida para barrar a proliferação da pandemia do coronavírus, o público que consume TV aberta durante a madrugada conseguiu um aumento expressivo. No mês passado, por exemplo, cerca de 50% dos aparelhos de TV estiveram sintonizados durante o período da 0h às 6h da manhã.

A média geral do Ibope do streaming no mês de maio mostrou que, pela primeira vez, a audiência das plataformas superou a TV Paga. Durante o período analisado, os serviços VOD apresentaram 6,9 pontos e 14,6% de share no Painel Nacional de Televisão (PNT) contra 6,7 dos canais de TV por Assinatura. Os índices referem-se a 15 maiores regiões do país.