Idris Elba polemiza e diz que filmes racistas não devem ser retirados dos streamings

Idris Elba
Idris Elba, de Turn Up Charlie, é o protagonista do filme produzido por Jay-Z para a Netflix (Reprodução/YouTube – Netflix)

A estrela britânica Idris Elba não acha que filmes e programas de TV considerados racistas devam ser banidos dos canais e plataformas de streaming, numa posição polêmica, em relação aos protestos que vêm acontecendo, porém, ele explicou que outras formas de preconceito, mesmo que não sejam censuradas, devem passar por um sistema de classificação e alerta aos espectadores sobre seus pontos de vista racistas.

“É por isso que temos um sistema de classificação: dizemos que esse conteúdo em particular é classificado como U, PG, 15, 18”, disse Elba ao Radio Times. “Para zombar da verdade, você precisa saber a verdade. Mas, para censurar temas racistas dentro de um programa, retire-o – espere um segundo, acho que os telespectadores devem saber que as pessoas fizeram programas como esse”.

Ele continuou: “Por respeito ao tempo e ao movimento, comissários e detentores de arquivos puxam coisas que consideram excepcionalmente surdas neste momento – justas e boas o suficiente para você. Mas acho que, seguindo em frente, as pessoas devem saber que a liberdade de expressão é aceita, mas o público deve saber no que está se metendo”.

Os comentários de Elba vieram depois que vários programas removeram episódios, principalmente para representações de blackface, em resposta ao movimento Black Lives Matter. The Office e Community foram alguns deles. Netflix e Hulu também retiraram um episódio inteiro de Community. No episódio Advanced Dungeons & Dragons, Chang (interpretado por Ken Jeong) usa maquiagem escura para interpretar um elfo negro. Ele pede a Shirley (interpretada por Yvette Nicole Brown) para comentar sobre ignorar crimes de ódio. “Apoiamos a decisão de remover o episódio”, disse um porta-voz da Sony Pictures Entertainment, produtora do programa.

Também foram retirados episódios de 30 Rock e It’s Always Sunny in Philadelphia, enquanto todos os episódios das séries Little Britain e Come Fly With Me foram removidos de vários serviços pelo mesmo motivo. E o Vento Levou, filme de 1939, foi temporariamente removido da HBO Max. A remoção ocorreu após um artigo do Los Angeles Times escrito pelo roteirista de 12 Anos de Escravidão, John Ridley, que pediu a retirada do filme, uma vez que perpetua os estereótipos raciais. A HBO Max retirou o filme para reservar um tempo para adicionar uma discussão sobre seu contexto histórico e representações racistas e, em seguida, colocar o filme de volta ao serviço. No vídeo de introdução, exibido antes do início do filme, a apresentadora e estudiosa de filmes da Turner Classic Movies, Jacqueline Stewart, discute “por que esse drama épico de 1939 deve ser visto em sua forma original, contextualizada e discutida”.

“Não acredito em censura”, disse Elba. “Acredito que devemos poder dizer o que queremos dizer. Porque, afinal, somos criadores de histórias”.