James Gunn conta o que mudaria em Hollywood

James Gunn
James Gunn (Reprodução)

É inegável que a indústria do cinema não é mais a mesma se comparada com décadas atrás. Entre as principais reclamações tanto dos amantes da sétima arte quanto dos que trabalham em Hollywood é o aumento das produções blockbusters e o crescimento de franquias que geram infinitas sequências de filmes. Tais mudanças geraram diversas polêmicas como a envolvendo Martin Scorsese, que disse que os filmes da Marvel não são cinema e mais parecem um parques de diversões, ou David Lynch, que afirmou que filmes de cunho artístico estão mortos.

Recentemente, o diretor James Gunn, conhecido por dirigir Guardiões da Galáxia, participou de uma sessão de perguntas e respostas onde falou sobre as mudanças que o mercado cinematográfico vêm sofrendo e o que ele mudaria em Hollywood (via Legião dos Heróis).

Questionado sobre o que Lynch disse que o cinema arte está morrendo, Gunn respondeu: “Mais ou menos. Acho que os filmes do nível comercial médio e filmes independentes terão dificuldades para serem vistos nos cinemas. Pessoas vão assistir filmes de terror e espetáculo e talvez algumas comédias nos cinemas. Todas essas três coisas podem ser ‘cinema’, mas é limitado”.

Em seguida, foi perguntado ao diretor o que ele mudaria em Hollywood, e com sinceridade disse: “Eu gostaria que estúdios não aprovassem filmes a não ser que vissem um roteiro que os deixasse feliz. A qualidade dos filmes iria instantaneamente subir 60%. Mas estúdios aprovam filmes com base em conceitos, franquias e datas de lançamento disponíveis”.

James Gunn é roteirista, diretor, produtor, ator e músico americano. Um de seus primeiros trabalhos no cinema foi no roteiro de Scooby-Doo (2002), Scooby-Doo 2: Monsters Unleashed (2004). Entre outros filmes que trabalhou estão Madrugada do Mortos, Slither, e A Experiência Belko. Para 2021 está sendo aguardado a sua versão de Esquadrão Suicida e logo em seguida ele dirigirá o terceiro filme dos Guardiões da Galáxia.