Johnny Depp e Robert Pattinson são vilões no trailer de À Espera dos Bárbaros

À Espera dos Bárbaros (Imagem: Divulgação)

À Espera dos Bárbaros (Waiting for the Barbarians), adaptação do livro de J.M. Coetzee, teve o seu primeiro trailer oficial divulgado. O filme de drama conta com a direção de Ciro Guerra (O Abraço da Serpente). Mark Rylance, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por seu papel em “Ponte dos Espiões”, assume o papel do protagonista e Johnny Depp (Piratas do Caribe) e Robert Pattinson (Bom Comportamento) são os vilões.

Confira:

Escrita por J.M. Coetzee, vencedor do Prêmio Nobel de literatura, a trama é ambientada em uma fortaleza isolada de um Império sem nome, sendo administrado por um magistrado (Mark Rylance). Muito dedicado, ele se mantem firme em seu trabalho e tenta manter uma relação pacifica com os nativos da região. Conhecido por seus interrogatórios problemáticos, o Coronel Joll (Johnny Depp) chega para cuidar da segurança e enxerga a população local como bárbaros. A sua chegada irá causar uma série de questionamentos no magistrado, que terá dúvidas da sua lealdade em relação ao Império.

À Espera dos Bárbaros será lançado no dia 7 de agosto nos Estados Unidos. No Brasil, ainda não há previsão de estreia.

À Espera dos Bárbaros (Imagem: Divulgação)

 

Críticas

O longa estreou no Festival de Veneza em setembro do ano passado. Os comentários da crítica especializada são mistas. Até o momento, a produção conta com 16 avaliações no Rotten Tomatoes e uma aprovação de 50%.

Confira alguns comentários:

“‘À Espera dos Bárbaros’ acumula uma raiva grave e violenta por causa dos sistemas de opressão que se mostram conturbadamente perturbadores e enfurecidos, à medida que o filme de [Ciro] Guerra fica mais sábio com detalhes tácitos.” – Guy Lodge, Variety.

“A mensagem não está errada, mas certamente é um uso decepcionante do talento de Guerra.” – Ben Croll, indieWire.

“Como espectador, exige muito trabalho sentir algo que é mais profundo do que a pena do senso comum, quando confrontado com personagens comuns presos em uma situação genérica em um tempo e local inespecíficos.” – Boyd van Hoeij, The Hollywood Reporter.

“Guerra claramente não teve problemas em dirigir, a sincronicidade cativante de todos os aspectos do filme era um testemunho de sua mente visionária.” – Luke Hicks, The Playlist.

 

 

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.