Josh Trank não queria que Quarteto Fantástico seguisse modelo de famoso filme da Marvel

Quarteto Fantástico
Quarteto Fantástico (Divulgação)

De acordo com uma matéria do Screen Rant, o diretor Josh Trank não queria que o seu sombrio reboot de Quarteto Fantástico fosse parecido com o colorido Vingadores de Joss Whedon. Em 2012 a Marvel lançou seu primeiro filme reunindo os principais heróis da primeira fase do MCU, o sucesso foi garantido e o filme fez com que o estúdio ganhasse seu primeiro bilhão com uma produção cinematográfica.

Enquanto isso a Fox também estava tentando emplacar um sucesso nos cinemas baseado nos heróis da Marvel, e o grupo escolhido foi o Quarteto Fantástico. Então, em 2015, estreou o filme estrelado por Miles Teller (Reed Richards / Senhor Fantástico), Michael B.Jordan (Johnny Storm / Tocha Humana), Kate Mara (Sue Storm / Mulher Invisível) e Jamie Bell (Ben Grimm / O Coisa) e contando com a direção de Josh Trank. Contudo, diversas controvérsias nos bastidores levaram a muitas mudanças no filme e o seu polêmico fracasso.

Segundo o Screen Rant, o roteirista Jeremy Slater relatou ao Polygon que Josh Trank não queria nenhum rastro de Vingadores no filme do Quarteto Fantástico. O roteirista era fã de quadrinhos e tentou envolver o diretor o máximo que podia no conteúdo original, e até deu ideias para que ele usasse algumas referências de Vingadores. “O primeiro filme dos Vingadores foi lançado recentemente, e eu continuava dizendo: ‘Esse deveria ser o nosso modelo, é o que o público quer ver. E Josh simplesmente odiava cada segundo disso”, relatou Slater.

Trank foi descrito no artigo como tendo uma “aversão geral aos filmes de quadrinhos” aparentemente não se importava se os personagens “lutassem contra robôs na Letônia ou aliens na Zona Negativa ou Mole Monsters no centro de Manhattan”. Por alguma razão, ele perdeu o interesse quando os personagens se tornaram super-heróis. O diretor mostrou seu lado do argumento dizendo: “Os testes para o desenvolvimento do Quarteto Fantástico tiveram tudo a ver com o tom. Você pode pegar as coisas mais ‘cômicas’, tanto quanto nomes, rostos, identidades e histórias de fundo, e sintetizá-las em um tom. E o tom em que [Slater] estava interessado não era um tom que eu achava que tinha algo em comum”

Não há nada de errado em Josh Trank querer mostrar mais o lado humano dos personagens em vez de seus alter egos heroicos, contudo, também cabe ao diretor respeitar o material fonte e aos fãs que investem nessas narrativas.

Formado em administração e psicologia. Adora cartoons, animes e series animadas. Atualmente faz curso de desenho com especialização em cartoons.

bostancı escort