Joss Whedon rebate Ray Fisher ao ser acusado de racismo nos bastidores

Depois que Ray Fisher, ator de Liga da Justiça deu uma entrevista falando sobre o motivo que o fez expor o comportamento abusivo de Joss Whedon em uma postagem na rede social em julho deste ano, o próprio diretor, enviou para a imprensa um comunicado desmentindo as acusações de Fisher.

O intérprete do Cyborg havia dado uma entrevista para a revista Forbes dizendo que ficou sabendo por um funcionário da pós-produção que Whedon havia ordenado clarear a pele de um personagem nas imagens, pois não gostava da cor do ator.

“O indivíduo que ofereceu esse depoimento admitiu que foi algo que ele ouviu de outra pessoa, e simplesmente aceitou como verdade. Era necessário apenas um pouco de pesquisa e informação para descobrir que é totalmente falso. Assim como qualquer grande produção, existem muitas pessoas envolvidas na mixagem do produto final, incluindo editores, efeitos visuais, compositores e outros. Um deles é o colorista sênior, responsável pela paleta do filme”, disse o comunicado.

“O processo se tornou muito complicado pelo fato do diretor original, Zack Snyder, ter trabalhado com câmeras analógicas, enquanto Joss (Whedon) trabalha com câmeras digitais. Isso fez com a equipe, liderada pelo mesmo colorista sênior, tentasse conciliar os dois”, completou.

Fisher vive uma verdadeira cruzada pela verdade desde que acusou o diretor de ser antiprofissional, e chegou a até mesmo chamar a atenção da WarnerMedia que pediu uma investigação interna para apurar os fatos, porém, a investigação foi feita pela empresa antiga, Warner Bros. Pictures, que segundo o ator está tentando proteger, tanto Whedon, como Jon Berg e Geoff Johns, diretores do estúdio, e da DC Comics que sabiam tudo o que diretor fazia nos sets, mas nunca se importaram.

ankara escort