Jurassic World: Dominion gastou milhões em testes de Covid-19

Jurassic World 3 (Divulgação)
Jurassic World 3 (Divulgação)

Quando o coronavírus se mostrou algo tão legal que impediu todas as produções de continuarem, alguns países foram rápidos em estabelecer medidas que possibilitassem que os negócios de cinema e TV pudessem voltar. Isso aconteceu com o Reino Unido que lançou uma série de regras, fazendo com que o aguardado Jurassic World: Dominion voltasse a ser produzido em julho deste ano, sendo o primeiro grande filme, a recolocar suas câmeras. Mas a super produção da Universal Studios, não está sendo barata, e segundo um novo relatório teria gasto milhões de dólares só em testes para Covid-19, incluídos dentro dos custos de orçamento.

De acordo com o site The Hollywood Reporter, a Universal Studios alugou um hotel inteiro perto do set do filmagens no Reino Unido e está testando regularmente o elenco, a equipe e a equipe do hotel onde todos estão morando. Segundo a matéria, desde que a produção foi retomada, teriam sido feitos cerca de 27 mil testes, com gastos de quase 3 milhões de dólares apenas com estes exames, sendo que menos de 10 tiveram resultado positivo. Para seu crédito, o produtor Patrick Crowley diz que o estúdio não tentou cortar custos, dizendo: “A Universal nunca piscou. Eles disseram, ‘Você tem que fazer o que tem que fazer.'”, disparou para a reportagem.

“Quando você se levanta e sai correndo, percebe que precisa falar com a equipe e dizer a alguém: ‘Amigo, coloque a máscara sobre o nariz.’ Ou você encontra os três caras que estão a apenas 45 centímetros um do outro falando sobre como eles se divertiram no último fim de semana, e você tem que separar. Temos pessoas que são contratadas para fazer nada além de dizer: ‘Você precisa afastar-se dele a 2 metros’, porque você sabe que o sucesso do programa e a probabilidade de eles continuarem a ter empregos na indústria depende disso”.

Crowley também revelou que a produção requer 14 dias completos de isolamento para qualquer pessoa exposta a alguém com um teste positivo, ordenado pela Comcast, empresa controladora da Universal. “Pode ser um pesadelo. De repente, você tem quatro pessoas que não podem ir trabalhar e você tem que descobrir uma solução alternativa, mas se não seguirmos a regra, não temos uma maneira uniforme de garantir a responsabilidade”, continuou o produtor.