Live-action de A Dama e o Vagabundo terá música alterada por motivo específico; saiba qual

Live-action de A Dama e o Vagabundo
Live-action de A Dama e o Vagabundo (Foto: Divulgação)

O live-action da animação ‘A Dama e o Vagabundo’ está chegando. Porém, algumas alterações estão sendo feitas, como a música ‘A Canção dos Gatos Siameses’, que terá sua letra modificada. Tudo isso porque, segundo a Variety, a música é considerada xenófoba. Janelle Monáe e o grupo Wondaland estão trabalhando para criar a nova versão da música. A Dama e o Vagabundo tem previsão de estreia para 2020, no Brasil, e será lançado no Disney+.

A polêmica na música se dá porque retrata um problema da cultura asiática, já que quem canta a faixa são os gatos de olhos puxados Si e Am. Na música, eles mesmos falam de onde vieram. “Viemos do Sião há três meses/ E nos chamam de siameses/ Essa é a nova casa onde vamos ficar”, diz um trecho da canção. No live-action, os gatos também não serão siameses. No elenco, Vagabundo terá a voz de Justin Theroux e a Dama terá a voz de Tessa Thompson. Kiersey Clemons vai dublar Darlind e Ashley Jensen dará voz a Jackie, amigo da protagonista.

Disney+

O Streaming Disney+ vai ser lançado neste ano, nos EUA, com uma assinatura mensal de US$ 6,99. No Brasil, o serviço só chega em 2020. Mais de 7.500 episódios e 500 filmes estarão na plataforma, no primeiro ano. Também terá 250 horas de conteúdo do National Geographic. Algumas séries também serão produzidas, baseadas em Monstros S.A e High School Musical. O serviço ainda vai produzir filmes de médio e baixo orçamento, ao longo do ano. Além do live-action A Dama e o Vagabundo, serão produzidos também os filmes Noelle, Timmy Failure, Stargirl e Togo.

O CEO da Disney, Bog Iger, já tinha anunciado, recentemente, que o filme Canção do Sul não entrará na plataforma. Lançado em 1946, o longa retrata, de forma preconceituosa, a população afro-americana dos Estados Unidos, após o fim da Guerra da Secessão. “Esse filme não seria muito bem aceito pelas pessoas hoje em dia. Não é o interesse dos acionistas trazê-lo de volta”, disse.