Logan: Diretor fala sobre a escolha do destino do Wolverine no filme

Logan (Imagem: Reprodução)

Lançado em março de 2017, Logan marca a despedida de Hugh Jackman no papel do Wolverine, assim como a morte do personagem nos cinemas. Em entrevista concedida ao ComicBook, o diretor James Mangold revelou que a decisão de matar o herói no filme não foi complicada. Tanto o astro quanto o estúdio concordaram com o desfecho.

“O processo é muito menos um comitê do que você imagina”, disse Mangold. “Foi realmente Hugh [Jackman] e eu no começo. Parecia lógico, que, se fosse o último filme dele, que ele fosse para o horizonte ou morreria, é preciso ter algum tipo de cortina na história dele. Essa é uma suposição lógica, certo?”

O cineasta diz que poderia ser feito como anteriormente, o personagem apenas indo embora ou algo novo. No entanto, o momento pedia muito mais, principalmente por causa da despedida de Jackman. “Mas a razão pela qual a escolha era importante é porque precisávamos da sensação de encerramento. Você precisava ter essa sensação de fim, se ia terminar, e se estávamos lidando com o legado das muitas performances e filmes de Hugh, tentando definir esta parte de alguma maneira definitiva”.

Mangold ainda contou que a Fox concordou rapidamente com o desfecho e o motivo dele. “Francamente, nem mesmo o estúdio ficou nervoso, porque parecia um evento. Ele deu ao filme, em um nível simples, a realidade de que, embora possa não apresentar uma ação extravagante ou cara como alguns outros filmes, que o longa deve ser visto porque seria o fim de uma lenda”, afirmou.

Além de dirigir, James Mangold também assina o roteiro junto com Michael Green e Scott Frank. O longa de ação e ficção cientifica recebeu inúmeras críticas positivas e foi muito bem recebido pelo público. Além disso, foi o primeiro filme de super-herói a receber uma indicação ao Oscar na categoria de Melhor Roteiro Adaptado. Com um orçamento de US$ 97 milhões, Logan arrecadou US$ 619 milhões nas bilheterias mundiais.