Mais cômico? Warner Bros. faz ajustes em novo Esquadrão Suicida

Joel Kinnaman
Joel Kinnaman (Imagem: Divulgação)

Quem assistir ao novo  O Esquadrão Suicida vai perceber alguns ajustes. Os personagens remanescentes do primeiro filme tiveram uma grata surpresa e um grande desafio: fazer a mudança de tom para um estilo único de comédia, conforme explicou Joel Kinnaman, que deu vida ao Comandante Rick Flag em uma nova entrevista para o site americano CBR.

“[Gunn] realmente me ensinou como encontrar a comédia e onde estavam as oportunidades para isso”, expressou Kinnaman. “E foi uma ótima experiência de aprendizado. Foi muito divertido, e eu e James, acho que nos divertimos muito trabalhando juntos nisso. Mal posso esperar que as pessoas vejam esse filme. Acho que é vai ser muito bom. E tudo o que ouvi, o estúdio está nas nuvens com o filme. E a Warner Bros. basicamente [tem] muito poucas notas, tipo, quase nenhuma nota na versão do diretor, o que é inédito no um grande filme”, disparou ele sobre possíveis mudanças.

Ele continuou: “Nós nos divertimos muito filmando o primeiro, mas [este] foi algo realmente especial. Eu nunca tinha feito comédia antes, e realmente parecia minha primeira comédia. E acho que no primeiro Esquadrão, não estou decepcionado com meu trabalho lá, mas… nunca interpretei dessa forma. Senti que tinha esses parâmetros que me confinavam de certa forma. Por isso, foi ótimo fazer o segundo porque James apenas abriu as possibilidades para o personagem, e se tornou muito mais cômico”.

Joel Kinnaman e John Cena nos bastidores de O Esquadrão Suicida
Joel Kinnaman e John Cena nos bastidores de O Esquadrão Suicida (Reprodução)

Esquadrão Suicida marca nova parceria

“Então esse [papel] eu fiquei muito, muito feliz de voltar, porque foi um prazer e uma experiência incrível trabalhar com James Gunn. E a visão dele para O Esquadrão Suicida foi muito boa. E quando eu recebi o roteiro enviado para mim, achei muito engraçado. Era como se cada página me fizesse rir. Eu estava sentado em casa lendo e rindo alto”, começou o ator sueco, de 40 anos.

O primeiro filme, do diretor David Ayer, que havia sugerido que sua abordagem do material seria mais sombria do que os fãs tinham visto em filmes anteriores na DC, acabou mudando um pouco de percurso devido ao sucesso de Deadpool, meses antes de seu lançamento, e pelas massivas críticas que Batman vs. Superman: A Origem da Justiça sofreu justamente por ser um filme mais complexo, igualmente sombrio.