Mark Ruffalo diz a verdade sobre série de TV baseada em Parasita

Bong Joo Ho
Bong Joo Ho (Divulgação)

Mark Ruffalo foi um dos convidados do C2E2, evento de cultura pop que aconteceu em Chicago neste fim de semana. O astro falou entre outros assuntos sobre o que mudaria em Os Vingadores, sua carreira, seus projetos e acabou revelando algo que até então era apenas um boato: a certeza de que uma série baseada no filme Parasita está sendo produzida em solo norte-americano e seu nome está cotado para integrar o elenco.

Parasita, longa sul-coreano, ganhou o Oscar 2020 de melhor filme, melhor filme em língua estrangeira, melhor roteiro original, e melhor diretor para Bong Joon-ho, que foi contratado pela HBO juntamente com Adam McKay como produtor executivo para a série limitada que se passaria no intervalo entre dois acontecimentos do filme original.

Ruffalo falou sobre sua proximidade com Joon-ho: “Nós já nos conhecemos. Eu o amo, e amo esse filme. Eu creio que irei interpretar o pai na série Parasita. Eu amaria fazer isso. Estamos no meio do processo, esperando o roteiro, e tudo isso, mas sim, isso é verdade e está em andamento”, disse ele batendo o martelo sobre o novo programa. Anteriormente, o ator já havia falado sobre rumores envolvendo uma adaptação da história ao ser parado por paparazzi do site TMZ no dia seguinte à entrega do Oscar 2020.

“Isso seria incrível. Bong é incrível. Seu discurso ontem à noite assim como seu filme, foram incríveis, e eu ficaria honrado de poder estar envolvido em uma adaptação”, começou ele sem dar certezas sobre o projeto. “Hoje em dia nada realmente sai até que tudo esteja pronto, então talvez, seria legal fazer parte”.

Quanto à série, Bong Joon-ho falou que tinha muitas ideias não utilizadas no longa original, e que podem ser usadas no programa: “Tenho ideias importantes acumuladas desde que comecei a escrever o roteiro. Eu simplesmente não consegui incluir todas elas nas duas horas de duração do filme, então elas ficaram armazenadas no meu iPad e meu objetivo com esta série é criar uma espécie de filme de seis horas. Por exemplo, quando a governanta original volta tarde da noite, tem hematomas em seu rosto, o pai pergunta sobre isso, mas ela nunca respondeu. Eu sei o motivo, e tenho história para isso, e também sobre o motivo pelo qual ela conhecia o bunker. São histórias ocultas que guardei”, finalizou.