Martin Freeman conta o que sentiu ao protagonizar série sobre personagem real

A Confession
A Confession (Divulgação)

Martin Freeman, de O Hobbit a Sherlock, está com um trabalho novo na TV britânica. Ele é a principal estrela da série A Confession, do serviço de streaming BritBox (Uma parceria entre as emissoras britânicas BBC e iTV para ser o maior hospedeiro de produtos audiovisuais do Reino Unido). Embalado por dramas criminais, o programa segue a vida e o trabalho de Steve Fulcher (Freeman), que começa procurando o responsável pelo desaparecimento de uma mulher de 22 anos.

O superintendente depois de prender o bandido fica intrigado pois o homem se oferece para revelar onde escondeu o corpo de uma segunda vítima, e na tentativa de resolver mais um caso, que sequer conhecia, Fulcher passa a não seguir os procedimentos policiais necessários.

A série é baseada em eventos reais que aconteceram no Reino Unido, e detalha as consequências de manifestações públicas em torno de cada um dos casos, inclusive pedindo a cabeça do detetive. “Ele não pontilhou todos os i’s e nem cruzou todos os t’s, e acaba pagando por isso. Eu senti um senso de responsabilidade fazendo a série”, disparou Freeman sobre o personagem ao TV Insider.

“Sem suas ações, eles nunca teriam sabido o fechamento. A maioria das pessoas pensaria que ele merece uma medalha, não a aprovação”, continuou ele sobre o detetive da vida real, que acabou pagando com a própria reputação ao tentar resolver os casos.

Fulcher acreditava que a primeira vítima poderia ser encontrada com vida, e evitou que Christopher Halliwell fosse levado para uma delegacia. Ele acredita que se o homem conseguisse um advogado, o profissional iria instruí-lo, a não dizer nada, e com isso, a potencial vida das vítimas estariam em perigo.

“Eu também acho que a maneira como a polícia reagiu foi maldosa. Você precisa perguntar: ‘Ele estava agindo o tempo todo de boa fé?’ e tenho certeza de que a resposta é sim e, portanto, se a decisão for essa, devido à maneira como Steve usou a provisão de entrevista, a decisão correta é que as evidências não devem ser permitidas em tribunal, não é que ele seja culpado de uma má conduta grosseira que é perversa para mim”, disse Jeff Pope diretor da série dando sua opinião sobre o caso real.