Mesmo com prêmios internacionais, Bolsonaro questiona cinema brasileiro

Bacurau
Bacurau, um dos filmes brasileiros que percorreu salas de cinema em 2019 e fez grande sucesso, mesmo em redes maiores (não de circuito independente) e de cinemas comerciais (Imagem: Divulgação)

A boa fase vivida pelo cinema brasileiro internacionalmente parece não ter sido suficiente para agradar o presidente Jair Bolsonaro. Em live feita recentemente por meio de suas redes sociais, ele questionou a produção de filmes que se faz no Brasil. Vale lembrar que, há algumas semanas, o país teve duas produções, os filmes Bacurau e A Vida Invisível, recebendo troféus inéditos no Festival de Cannes, realizado na França.

Mesmo com as premiações internacionais de Bacurau, filme de sucesso dos cineastas Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, e A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, o presidente afirmou que há tempos não se faz um “bom filme” no Brasil. E a fala vem depois de ele editar o decreto da chamada “cota de telas”, que define a exibição obrigatória de filmes brasileiros em cinemas espalhados pelo Brasil.

“Obviamente que, fazendo bons filmes, não vamos precisar de cotas mais. Há quanto tempo a gente não faz um bom filme, não é?”, disse Jair Bolsonaro na live, conforme publicação do jornal Folha de S. Paulo. E completou: “Vamos fazer filmes da história do Brasil, da nossa cultura e arte, que interessa a população como um todo e não as minorias”.

Bolsonaro ainda alegou que os novos filmes que serão feitos no Brasil, dentro do seu governo, não vão abordar o que ele chamou de “questão de ideologia”. “Os filmes que estamos fazendo a partir de agora não vai ter mais a questão de ideologia, aquelas mentiras todas de histórias passadas, falando do período de 1964 a 1985. É sempre fazendo a cabeça da população como se esse pessoal da esquerda foi o mais puro, ético e moral do mundo. E o resto como se fosse o resto”, disse.

Possui Mestrado em Comunicação e Graduação em Jornalismo. Pesquisa cultura pop e também trabalha com o tema.