Michael B. Jordan toma atitude para promover profissionais negros em Hollywood

Michael B. Jordan como Killmonger em Pantera Negra (Foto: Reprodução / Marvel)

Os protestos antirracistas que aconteceram nos Estados Unidos trouxeram à tona uma verdade inconveniente: o racismo de Hollywood e de produções televisivas e cinematográficas. O número de negros, na frente e atrás das câmeras é muito baixo e o ator Michael B. Jordan está disposto a mudar isso. O astro de Pantera Negra se uniu a Color of Change, uma organização sem fins lucrativos para tentar tomar atitudes concretas contra o racismo no meio artístico, e sobretudo possibilitar aos negros que consigam entrar na indústria do entretenimento. A iniciativa tem o nome de ChangeHollywood (Muda Hollywood em tradução livre), e vai levar um documento para os grandes estúdios e produtoras, solicitando que eles invistam em histórias sobre pessoas negras, assim como em profissionais de várias etnias que possam sobretudo produzir conteúdo antirracista.

O documento pede ainda que sejam realizadas sessões de consultoria, salas de roteiro, que ajudem a garantir a representatividade negra nesses espaços. “Esse roteiro é só o começo da jornada até a justiça racial. Somos todos cúmplices na luta para transformar Hollywood, e convidamos criadores de conteúdo e líderes da indústria para se unirem a nós para trabalharmos juntos no #ChangeHollywood. Estamos ansiosos para incluir uma variedade de vozes para fazer o que fazemos e melhor: contar histórias autênticas, unir pessoas, fazer parcerias com artistas influentes e mudar as regras do jogo.”, explicou o ator, que também é CEO da Outlier Society em um comunicado publicado pelo site The Hollywood Reporter.

A Outlier Society, produtora de vídeo de Jordan já está trabalhando no novo modelo, promovendo a inclusão em todos os projetos. A empresa tem um contrato em andamento com a Warner Bros., onde ele também tentará implantar essas medidas de aumento da diversidade. “O legado do racismo em Hollywood é longo e imperdoável: excluindo talentos negros, silenciando vozes negras, descarrilando carreiras negras e usando o poder econômico da indústria para apoiar a polícia que visa e decreta violência nas comunidades negras”, disse Rashad Robinson, presidente da Color of Change, a maior organização de justiça racial online do país.