Michael Cudlitz revela se Abraham poderia matar Negan em The Walking Dead caso estivesse vivo

Michael Cudlitz em cena de The Walking Dead
Michael Cudlitz em cena de The Walking Dead (Divulgação/ AMC)

Parece que Michael Cudlitz não se conforma mesmo com a saída de seu personagem de The Walking Dead. O ator falou que Abraham poderia ter matado Negan (Jeffrey Dean Morgan) caso eles participassem de uma luta justa. Para quem não se lembra, Abraham foi a primeira vítima de Negan, quando ele rendeu todo o grupo de Rick (Andrew Lincoln) no início da sétima temporada. O líder dos Salvadores espancou o ruivo, antes de mirar seu taco de baseball envolto em arame farpado em Gleen (Steven Yeun).

“Todo mundo sempre pergunta ‘e se’, mas é difícil fazer esse tipo de suposição”, disparou o ator ao participar do podcast Dead Talk Live, e ser questionado se Abraham teria condições para matar Negan caso ainda estivesse vivo. “É como, sei lá, ‘Daryl mataria Negan’? Agora veja o que aconteceu – tudo gira, e tudo muda. Então não sei. Acho que se fosse um contra um, ele o eliminaria com certeza, mas só se todas as coisas fossem iguais e justas”.

Na série, que não conseguiu encerrar corretamente sua décima temporada, oito anos se passarem desde que Negan chegou e cometeu a bárbarie que deixou muitos telespectadores em choque. Neste tempo, o público viu Negan se unir a Daryl numa batalha contra os Sussurradores, agora comandados por Beta (Ryan Hurst).

Cudlitz diz que é impossível prever o que teria acontecido, caso Abraham não fosse a vítima da vez anos antes. “Você olha para a luta de Beta com Daryl. Você não sabe como isso vai acabar, e ele fica com vantagem, mas as coisas estão como estão, Beta é enorme”, completou o ator. Na décima temporada, Daryl e Beta chegaram a brigar, com o primeiro atirando o líder dos Sussurradores no poço de um elevador.

“Então não é nem um palavrão ou conversa fiada sobre Norman dizer que o Beta provavelmente venceria. Mas Daryl é apenas um durão que é completamente imprevisível, então você nunca sabe. Eu não gosto de jogar o jogo ‘e se’ porque você sempre diz: ‘Ah, sim, eu teria chutado a bunda dele e teria mudado a coisa toda.’ Bem, não, não foi assim”.