Netflix dos smartphones, Quibi é considerado um fracasso; Entenda o que não deu certo

Quibi
Serviço de streaming Quibi (Reprodução/Facebook – Quibi)

Desenvolvido com a promessa de ser a “Netflix para os smartphones”, a plataforma de streaming Quibi chegou no dia 6 de abril, a partir de um investimento de US$ 1,75 bilhão de dólares (algo próximo de R$ 9,29 bilhões de reais). Dois meses depois, o serviço é considerado um fracasso. As informações são do Notícias da TV.

Gigantes do entretenimento como Disney, Warner Media e NBC Universal se uniram no aporte da empresa e, de acordo com o Wall Street Journal, os financiadores estão descontentes com o baixo engajamento do serviço e o escasso número de assinantes da plataforma.

Até então, a expectativa era de que cerca de 7,4 milhões de norte-americanos adquirissem o Quibi logo no primeiro mês, no entanto, de acordo com a reportagem, o número total hoje não chega a dois milhões e o número de “usuários ativos” do serviço é ainda menor. 

Entre as causas do fracasso os analistas apontam o impacto do coronavírus, (visto que a proposta era que o conteúdo do Quibi fosse consumido na rua, no metrô ou a espera um café, algo impossível diante da pandemia de covid-19), limitações na tecnologia e desentendimentos da diretoria também contribuíram para o balde de água fria bilionário. 

“Eu responsabilizo o coronavírus por tudo o que deu errado. Tudo!”, afirmou o executivo Jeffrey Katzenberg, de 69 anos, em entrevista ao The New York Times. Uma briga nos bastidores também teria sido um dos fatores que contribuíram para o projeto não ter dado certo.

Segundo a reportagem do Wall Street Journal, Katzenberg protagonizou vários atritos com  Meg Whitman, a diretora-executiva (CEO) do Quibi. O executivo é conhecido por acompanhar de perto todas as suas empresas, o que teria a deixado desconfortável. Em um dos desentendimentos, ela chegou a ameaçar largar o emprego.

Apesar de não oferecer a opção de legendas em português e dublagens, o Quibi está disponível no Brasil. A versão sem anúncios custa cerca de R$ 32,90 por mês, uma das assinaturas mais caras entre as plataformas de streaming.