Netflix faz corte em cena de filme clássico e deixa fãs revoltados

De Volta para o Futuro
De Volta para o Futuro (Divulgação)

Depois que a Disney adentrou no mercado com seu streaming ultraconservador, parece que virou moda entre as plataformas, passar a tesoura nos conteúdos de seus filmes. O problema é quando isso acontece com filmes que tem um grande apelo com o público e até considerados clássicos, como aconteceu recentemente com De Volta Para o Futuro Parte II.

Como o filme de 1989, agora faz parte do catálogo da Netflix americana, os fãs assistiram, e notaram que a empresa acabou censurando uma das cenas, e pior, uma cena que não tinha absolutamente nada demais. Na sequência, Marty McFly, interpretado por Michael J. Fox abre uma revista que ele acredita ser esportiva.

Mas no meio das páginas, encontra uma revista erótica masculina. O personagem se frustra, e começa a exclamar “Ooh La la”, repetindo o nome da tal revista, mas a edição da Netflix removeu três segundos do filme, em que é possível perceber que o material interno do tal almanaque é na verdade uma antiga revista erótica.

Claro que os fãs perceberam o corte e foram reclamar muito no Twitter, fazendo inclusive um vídeo comparativo entre as versões. Veja:

No início deste ano, os fãs perceberam que a Disney Plus fez algo semelhante com Splash, filme de 1984 com Tom Hanks e Darryl Hannah no elenco. Numa determinada cena que mostrava um pedaço mínimo do bumbum de Hannah, a empresa criou um tipo de CGI para fazer com que o cabelo da personagem, uma sereia, ficasse tão longo, capaz de cobrir seu bumbum durante 1 segundo em que ele aparecia na tela. A empresa não se pronunciou sobre o corte na ocasião, mas sua diretriz deixou claro que por lá são proibidos filmes e séries com classificação acima de 13 anos. Mas e a Netflix, que com produtos para todas as faixas etárias, qual será a desculpa?