Netflix ‘perde’ coroa nos EUA, e filme de outro streaming é mais visto que toda sua programação

Hamilton (Divulgação)

A Netflix abriu caminho para diversos outros streamings. Em alguns países como no Brasil, sua concorrência não é tão forte, mas em marcado como os Estados Unidos, ela começa lentamente a perder espaço ainda que tenha uma base de assinantes muito maior que qualquer um dos seus rivais. A empresa porém, conta com um concorrente de peso: a Disney+, que logo em seus primeiros dias já havia conquistado milhões de clientes, e para acirrar ainda mais essa disputa, no último mês, um único filme da plataforma do Mickey Mouse conseguiu uma audiência superior a qualquer produto que a Netflix tenha apresentado.

Segundo a revista Variety, o filme Hamilton, que nada mais é do que uma peça de teatro filmada exclusivamente para a plataforma, fez um barulho estrondoso no mercado de streaming. Em uma pesquisa, 37% dos entrevistados disseram que assistiram ao espetáculo na TV no final de semana de 4 de julho, isso significa que naquele período, ele foi mais assistido que as estreias da Netflix para o mês, encabeçada por Unsolved Mysteries, visto por cerca de 13,7% dos telespectadores.

Unsolved Mysteries teve um retorno importante e digno de atenção, assim como adaptação de The Old Guard como um possível início de franquia; e mesmo a série reboot de O Clube das Babás teve um lançamento sólido. Por outro lado, com Hamilton, a Disney ofereceu aos consumidores um evento de exibição único: a fama de Hamilton era enorme, mas muitos nunca tiveram a oportunidade (ou dinheiro) de ver a peça na Broadway – muito menos no período de tempo necessário ver o criador Lin-Manuel Miranda e o elenco original de Hamilton.

A Disney ofereceu essa experiência única sem nenhum custo adicional para aqueles que já haviam se inscrito no Disney+, ao mesmo tempo em que não conseguiu atrair todos os tipos de novos assinantes ao não permitir que membros de avaliação gratuita acessassem Hamilton, apenas assinantes pagantes. É o tipo de movimento astuto que ajudou a Disney+ a aumentar rapidamente sua base de assinantes, que agora chega a 60,5 milhões – com o número de assinantes mais do que dobrando desde o início de fevereiro e o bloqueio da pandemia de coronavírus. É provável que a plataforma chegue no Brasil no ano que vem.