O que o ex-CEO da Disney, Bob Iger fará exatamente?

Bob Iger e Bob Chapek, na troca de CEO da Disney
Bob Iger e Bob Chapek, na troca de CEO da Disney (Divulgação) Iger

Na última terça-feira, 25 de fevereiro, foi anunciado que a Disney passaria a contar já no dia seguinte com um novo CEO. Sai Bob Iger, e entra Bob Chapek, que até então atuava como presidente dos Parques, produtos e outras áreas de convívio da empresa. Iger, que tem contrato vigente até 31 de dezembro de 2021, atuará como Presidente Executivo da área criativa.

“A empresa ficou maior e mais complexa nos últimos 12 meses. Com o ativo baseado no local e a nossa estratégia implementada essencialmente, senti que deveria gastar o máximo de tempo possível com o lado criativo como nossos negócios … porque essa se torna nossa maior prioridade em 2021”, explicou ele na teleconferência após anunciar a transição.

O pensamento de Iger explica uma posição de mercado delicada que a Casa do Mickey Mouse ocupa atualmente. Mesmo com seu sucesso no streaming (O Disney Plus já conta com cerca de 28 milhões de assinantes), as franquias cinematográficas que mais geraram lucro nos últimos anos estão enfraquecidas.

Na Marvel, o fim da terceira fase com Vingadores: Ultimato faz com que a empresa ande na incerteza de um sucesso com seus próximos personagens, e o mesmo acontece com Star Wars, que precisa reavivar seu fôlego depois de Star Wars: Episódio IX. Como nenhuma dessas marcas possui uma carta garantida na manga, existe o receio que de os números de 2019, conquistados com Ultimato, Capitã Marvel, Rei Leão, Aladdin, e Star Wars: Episódio IX não se repitam.

Com isso, Iger, que conhece cada movimento criativo dentro da empresa nos últimos quinze anos se volta justamente para reforçar essa área, sem precisar com isso lidar com as minúcias comerciais.  O executivo foi responsável por elevar o valor de mercado da Disney de 55 bilhões de dólares em 2005 para 260 bilhões de dólares em janeiro deste ano.

 

Comentários