Os Simpsons fez nova previsão envolvendo o Brasil; Descubra qual

Os Simpsons
Trecho de um episódio de Os Simpsons em 2014, teria previsto a nota de R$ 200, anunciada recentemente pelo Banco Central (Imagem: Reprodução / Fox)

Fazendo jus à fama de Os Simpsons em acertar previsões, um frame do episódio You Don’t Have to Live Like a Referee (“Você não precisa viver como um árbitro”, em livre tradução) mostra Homer recebendo uma maleta contendo uma nota de 200 reais. 

A cena foi lembrada após o Ministério da Economia, por meio do Banco Central, anunciar justamente o lançamento da cédula de R$ 200, que vai contar com a imagem do lobo-guará impressa, e que deve entrar em circulação até o final de agosto.

O episódio faz parte da 25ª temporada da série, e foi ao ar em 2014 quando o Brasil, estava prestes a sediar a edição da Copa do Mundo da FIFA daquele ano. Fãs alegam que a cena mostra que a série previu, com seis anos de antecedência

Vale lembrar que o episódio em questão já tinha se tornado famoso por uma razão parecida: Nele, os Simpsons viajam ao Brasil e Homer assume o posto de árbitro da FIFA durante a copa do mundo. Ele apita um jogo do Brasil contra Alemanha e, tal como na vida real, o país-sede acaba perdendo o jogo para os alemães. 

Uma das previsões mais recentes seria que em um episódio da temporada de 1994, o programa adiantou o coronavírus. Billl Oakley, um dos escritores da série falou sobre a fama da série de ter acertado alguns eventos.

“A ideia de que alguém se aproprie daquilo para fazer com que o coronavírus pareça uma trama asiática é terrível. Em termos de tentar culpar a Ásia – acho que isso é nojento. Acredito que o mais antecedente à gripe de Osaka [mal que acomete a população da cidade no episódio] foi a gripe de 1968. Era apenas uma brincadeira rápida sobre como a gripe chegou aqui”, opinou em entrevista ao The Hollywood Reporter.

“Era absurda a ideia de que alguém pudesse tossir dentro da caixa e o vírus sobrevivesse por seis a oito semanas na caixa”, acrescentou. “É um desenho animado. Nós intencionalmente o tornamos desenho animado porque queríamos que ele fosse bobo e não assustador, e não carregasse nenhuma dessas más associações, razão pela qual o próprio vírus estava agindo como um personagem de desenho animado e se comportando de maneiras extremamente irreais”, completou ele.

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.