Personagem de O Auto da Compadecida ganha versão no estilo do Studio Ghibli

Cena de O Auto da Compadecida (Foto: Reprodução)
Cena de O Auto da Compadecida (Foto: Reprodução)

O Auto da Compadecida é um dos maiores sucessos do cinema nacional. E um artista imaginou como seria um dos personagens principais do filme se fosse um personagem de anime. Julio Cesar desenhou João Grilo, interpretado por Matheus Nachtergaele, em um estilo muito parecido com o usado no famoso Studio Ghibli, estúdio responsável por filmes como Princesa Mononoke, Meu Amigo Totoro e Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar. Confira o resultado abaixo:

João Grilo em O Auto da Compadecida (Foto: Reprodução)
João Grilo em O Auto da Compadecida (Foto: Reprodução)
Arte feita por Julio Cesar
Arte feita por Julio Cesar

O Auto da Compadecida estreou no cinema em setembro de 2000 e teve direção de Guel Arraes. A produção é baseada no romance de Ariano Suassuna. O roteiro ficou por conta de Guel Arraes, Adriana Falcão e João Falcão. O elenco contou com Matheus Nachtergaele, Selton Melo, Denise Fraga, Virgínia Cavendish, Luís Melo, Marco Nanini, Fernanda Montenegro e Maurício Gonçalves.

O longa metragem mostras as aventuras dos amigos João Grilo e Chicó, que vivem de golpes para sobreviver. Após engarem o cangaceiro Severino de Aracaju e sua legião, só Nossa Senhora seria capaz de salvar a dupla. O Auto da Compadecida conquistou diversos prêmios no Grande Prêmio Cinema Brasil, Miami Brazilian Film Festival e Viña del Mar Film Festival.

Em comemoração aos 20 anos do Auto da Compadecida, a produção cinematográfica ganhou uma versão remasterizada que está disponível na Globolay. Na Comic Con Experience (CCXP) que aconteceu no ano passado, o diretor Guel Arraes e o ator Selton Melo participaram de um painel sobre o filme e falar sobre o lançamento da versão remasterizada.

Os dois também comentaram sobre a desvalorização do cinema brasileiro e que dificilmente veriam um alguém fantasiado de Chicó ou João Grilo no evento cheio de Homens de Ferro e Darth Vaders. Em uma entrevista para a Folha de S. Paulo, Selton Melo disse: “Não se valoriza a cultura brasileira”. Mas reconheceu que seu personagem é bem popular: “Não tem um lugar para onde eu vá neste país, nesses 20 anos, que não se refiram a mim com alguma menção ao Chicó”.