Pesquisas mostram que suicídio de adolescentes aumentou após estreia de 13 Reasons Why

13 Reasons Why
13 Reasons Why (Foto: Divulgação)

Um estudo foi publicado no Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, no mês seguinte à estreia de 13 Reasons Why, série da Netflix. De acordo com as pesquisas, a taxa de suicídio entre jovens americanos de 10 a 17 anos subiu após o lançamento do seriado. Essa taxa foi de 0,57 por 1000.000 – a maior taxa em um período de cinco anos para esse grupo.

Dentro de nove meses, 195 mortes a mais por suicídio foram registradas. “A juventude pode ser particularmente suscetível ao contágio suicida. [Isso] é estimulado por histórias que sensacionalizam ou promovem explicações simplistas do comportamento suicida, glorificam ou romantizam o falecido, apresentam o suicídio como um meio de atingir um objetivo ou oferecem potenciais prescrições de como morrer por suicídio”, disse o principal autor do estudo, Jeff Bridge.

A Netflix chegou a se pronunciar após a divulgação dos resultados, e afirmou que “este é um tópico extremamente importante e temos trabalhado duro para garantir que lidaremos com essa questão sensível de maneira responsável”. O coautor da pesquisa, John Ackerman, falou: “Os pais devem ser cautelosos sobre expor os jovens ao programa. Com uma terceira temporada a caminho, a vigilância contínua é necessária para monitorar possíveis consequências sobre as taxas de suicídio em associação com a exibição da série”.

Série

13 Reasons Why é inspirada no best seller Os 13 porquês (2007), de Jay Asher. A primeira temporada narra a história de Hannah Baker, aluna do ensino médio que se suicida, deixando para trás algumas gravações em fita cassete, dando treze motivos que teriam levado à sua morte. Cada fita é dedicada a uma pessoa que ela julga ter ajudado na sua missão de tirar a própria vida.