Produtor de Patrulha do Destino conta o que equipe fez para série não ser afetada pelo COVID-19

Larry Trainor/ Homem-Negativo e Rita Farr/ Mulher-Elástica em Patrulha do Destino (Imagem: Divulgação)

Esta semana, a série Patrulha do Destino (Doom Patrol) chegou ao fim de sua segunda temporada. Entre as inúmeras reviravoltas, e novos personagens, o produtor executivo Jeremy Carver afirmou que o programa conseguiu resistir, e passar quase ileso pela pandemia causada pelo novo coronavírus que paralisou as atividades de filmes e séries no início do ano.

Segundo ele, a temporada deveria ter 10 episódios, mas terminou no nono após alguns ajustes: “Nós sabíamos que estaríamos enfrentando um possível desligamento [enquanto trabalhávamos no episódio 9], então fomos capazes de fazer uma virada e garantir que o episódio 9 fosse tão satisfatório para uma conclusão da temporada como se tivéssemos seguido em frente até o episódio 10. Provavelmente, havia algumas pontas soltas do que seria se tivéssemos percorrido todo o episódio 10, mas ficamos muito felizes com a forma como conseguimos estruturá-las para nos dar um final satisfatório para a temporada”.

Questionado sobre o que a equipe criativa precisou fazer para seguir em frente, e garantir que a trama não tivesse um buraco, ele explicou: “Fizemos algumas alterações em tempo real. Mesmo nos últimos dias de produção, houve um pouco de triagem quando decidimos o que queríamos adicionar para fazer as coisas funcionarem. Também fizemos um pouco de trabalho na pós-produção, mas provavelmente tivemos mais sorte do que [muitos outros programas afetados] naquele episódio 9, que já teria um grande gancho de qualquer maneira”.

Carver explicou que algumas cenas que entrariam no episódio 10 foram puxadas e adicionas no roteiro do episódio 9, mas questionado sobre o episódio não produzido ter revelado a identidade de Crazy Jane, ele garante que isso não iria acontecer até um próximo ciclo de episódios. Dentre as coisas que o produtor destaca na segunda temporada é a entrada de Abigail Shapiro, a Dorothy.

“O que Abigail trouxe para o show foi nada menos que extraordinário. Desde o momento em que apareceu na tela, ela se sustentou e mais contra a já impressionante lista de talentos que tínhamos. Era de tirar o fôlego de se ver. Ela traz muita humanidade para esse personagem. Para mim, e acho que para muitas pessoas, é impossível tirar os olhos dela. Tivemos a sorte de ter Abigail se juntando a nós nesta temporada. Estávamos nos esforçando muito na segunda temporada para encontrar alguma distinção da primeira temporada, para pegar os mesmos personagens e encará-los de uma maneira diferente. Abigail trouxe a frescura e a perspectiva de que precisávamos, juntamente com todas as outras adições maravilhosas”.