Ratched: Saiba quantas temporadas série da Netflix pode ter segundo seu criador

Sarah Paulson estrela Ratched (Imagem: Divulgação/ Netflix)

Logo após estrear a série Ratched atingiu um pico de popularidade na Netflix, tornando até hoje um dos programas que figuram entre os 10 mais assistidos da plataforma. Criada por Evan Romansky e desenvolvida por Ryan Murphy, a série tem como protagonista Sarah Paulson, no papel de Mildred, uma enfermeira que começa a trabalhar em um asilo que está desenvolvendo terapias como choques elétricos, e faz de tudo para ascender aos olhos públicos. Romansky disse em entrevista ao site Decider, que escreveu a história quando estava na pós-graduação e não esperava que ela fosse ser vendida para uma rede de streaming.

“Quando eu estava tentando descobrir o que eu poderia resolver na época, a enfermeira Ratched simplesmente apareceu na minha cabeça”, disse ele que se baseou no livro de Ken Kesey. Embora muita gente tenha criticado que a história poderia ter terminado na primeira temporada, e que puxá-la para uma segunda foi forçado, o autor garante que o plano é bem maior que este: “Nosso plano é superar as duas temporadas. Idealmente, provavelmente cerca de quatro temporadas. Acho que Ryan realmente falou sobre fazer quatro temporadas. E temos um arco de onde queremos ir com isso. Então, sim, definitivamente. Temos muito a contar na história de Mildred Ratched”.

Sobre as discussões que rodeiam a internet sobre a personagem ser má ou não, ele acredita que planejou que houvesse esse debate, já que as experiências são capazes de fazer com que as pessoas mudem seu comportamento. “Sim. Sempre tive interesse em explorar porque nos tornamos quem somos e por que certas coisas – como eventos em nossa infância – realmente nos moldam como adultos. Não nascemos pessoas completas. Todo mundo, não importa o quão legal ou malvado seja, tem uma história. Eu sempre quis realmente explorar isso, e explorar isso dentro do personagem. Ela não tinha história de fundo. Foi um grande ponto de interesse para mim. Eu naturalmente me pergunto: ‘Bem, por que alguém se torna assim? É isso que eu gosto no nosso show também. Você tem uma imagem mais complexa dela, e você tem mais dificuldade em decifrar se ela é ou não uma vilã ou se ela é ou não realmente má. Ou se ela está apenas tentando definir seu próprio código moral, fazendo o que acredita ser certo”.