Ray Fisher acusa Warner Bros. de espalhar notícias falsas em sites para desviar atenção sobre investigação

Ray Fisher em visita ao Madame Tussaud
Ray Fisher em visita ao Madame Tussaud (Reprodução/ Twitter)

A novela entre a Warner Bros. Pictures e o ator Ray Fisher parece estar longe de acabar, e ele usou as redes sociais nesta quinta-feira, 24 de setembro para acusar a empresa de estar promovendo a desinformação através da imprensa para tentar colocar pressão em cima dele. Tudo começou depois que o site The Hollywood Reporter publicou uma matéria falando sobre o papel de Fisher como Cyborg estar em perigo no novo filme do Flash podendo até mesmo ser cortado devido a uma falta de negociações positivas como ator.

Segundo o site, Victor Stone, seu personagem teria importância fundamental no primeiro rascunho de roteiro apresentado, mas com as mudanças, a equipe do filme preferiu focar sua ação em Barry Allen, de Ezra Miller e relegar Cyborg a apenas três cenas. A Warner teria negociado com Fisher em relações a valores, que estavam afirmados em contratos anteriores, já que de acordo com estes documentos, o personagem irá aparecer mais vezes, e ele não teria aceitado pedindo o dobro do valor, algo que o próprio ficou surpreso ao ler.

Segundo ele, a própria empresa divulga este tipo de notícia, como de forma a pressioná-la, mas para que ele não prossiga com seu pedido para as investigações de má conduta no set de Liga da Justiça, comandado por Joss Whedon, com o aval dos chefões da Warner e DC na época, Jon Berg e Geoff Johns. “Parece que Warner Bros. Pictures deixou de dar declarações oficiais difamatórias a um meio de comunicação para se tornar uma ‘fonte’ de desinformação proposital para outro. As pessoas estão atrás de você. A investigação está chegando. Lançar calúnias sobre mim não vai mudar isso”, escreveu ele em seu Twitter. Uma notícia surgiu há algumas semanas dizendo que Ray não estava colaborando com as investigações, se recusando a responder os questionamentos que lhes eram feitos, mas ele provou o contrário publicando nas redes um print de um e-mail que ele respondeu para os investigadores contratados pela empresa.