“Reconhecimento profissional só veio após os 40”, arremata Regina King

Regina King
Regina King (Divulgação)

Nos últimos meses, o nome Regina King estampou diversas matérias em sites, revistas e jornais. A atriz que protagonizou Watchmen, série indicada em 26 categorias do Emmy deste ano, ainda estreou seu primeiro longa como diretora no Festival de Veneza, e falou em entrevista à revista People que passou a ser valorizada após seus 40 anos.

“Talvez agora que estou na casa dos 40 anos, as pessoas em posições de poder estejam reconhecendo isso. Mas tudo que eu já abordei, abordei poderosamente. Para mim, a vida tem sido uma série de momentos revolucionários. Rezo para que isso nunca acabe”. Embora a atriz considere que seu reconhecimento como atriz tenha vindo de forma muito tardia, ela já ganhou um Oscar e um Globo de Ouro anteriormente pelo filme Se a Rua Beale Falasse (2018).

A história do primeiro filme de Regina King

One Night in Miami, longa dirigido por King que mostra o encontro entre o lutador de boxe Cassius Clay (Eli George), Malcolm X (Kingsley Bem-Adir), Sam Cooke (Leslie Odom Jr) e Jim Brow (Aldis Hedge), discutindo num bar de hotel as agruras sofridas por homens negros, e ela explicou aos produtores quando soube da história, que ela era a pessoa ideal para estar no comando devido ao seu lugar de fala.

“Em termos do roteiro de Kemp, eu nunca tinha ouvido ou visto uma história que capturasse tão perfeitamente a experiência do homem negro na América. Quando se trata de conversas sobre homens negros e histórias sobre homens negros, vulnerabilidade e força geralmente não são palavras usadas em conjunto para descrever essa situação, mas definitivamente funcionam em conjunto aqui. É por isso que um filme como Moonlight foi tão bonito e atinge você de forma tão diferente, porque você não tem muitas vezes a oportunidade de ver essa vulnerabilidade e força ao mesmo tempo”, disse em entrevista anterior.