Roteirista faz comparação entre viagem no tempo de X-Men e Vingadores

Cena de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (Reprodução)
Cena de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (Reprodução)

Em história de super heróis usar viagens no tempo é uma artificio bem comum, e muitas vezes é a saída mais fácil e preguiçosa de se justificar certos furos nos enredos. E claro que em loga metragens de heróis as viagens no tempo já foram abordadas, como em Batman vs Superman: A Origem da Justiça, X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, Deadpool 2 e Vingadores: Ultimato. E Simon Kinberg que trabalhou no filme dos X-Men deu uma entrevista ao site Comic Book onde fez um comparativo entre as viagens no tempo dos dois filmes da Marvel.

Cada material busca usar as viagens do tempo de um forma, como por exemplo, em Dias de um Futuro Esquecido, o que se mudar no passado vai ter consequência no futuro. Enquanto em Ultimato, a viagem no tempo não altera o futuro, mas pode criar linhas temporais paralelas. Além disso o objetivo das viagens no tempo diferem de dependendo do que o o filme quer proporcionar ao público, para Kinberg, X-Men buscava o “melodramático”, enquanto Vingadores é mais “brincalhão”.

Na entrevista o roteirista disse: “O MCU no geral é mais brincalhão do que os X-Men [na Fox]. O que nós tentávamos nos filmes dos X-Men era criar algo mais próximo da ópera, dramático, no limite do ‘melodramático’. Os filmes da Marvel têm muito mais graça, são mais pop e divertidos, não que não tenham seus momentos sérios. Mas o jeito que eles lidaram com a viagem temporal encaixa na tonalidade geral [da franquia]. Enquanto para nós, [a viagem de Logan em Dias de Um Futuro Esquecido] estava de acordo com o tom que tínhamos”.

Em Dias de um Futuro Esquecido, Logan (Hugh Jackman) volta para 1970 para impedir Dr. Bolivar Trask construa as temíveis sentinelas que quase exterminaram os mutantes. Em Ultimato, os Vingadores visitam várias momentos de seus passados para conseguir as Joias do Infinito e desfazer o massacre de Thanos.