Saiba quanto O Homem Invisível já arrecadou nas bilheterias mundiais

O Homem Invisível (Imagem: Divulgação)

Depois de fazer uma ótima estreia e acumular muitos elogios, O Homem Invisível continua fazendo uma boa trajetória em sua passagem pelos cinemas. O remake estrelado por Elisabeth Moss já arrecadou quase US$ 100 milhões nas bilheterias ao redor do mundo.

Com um orçamento de apenas US$ 7 milhões, o longa de terror superou as expectativas e no final de semana de lançamento fez US$ 28,2 milhões nos Estados Unidos. São US$ 52,6 milhões somente na bilheteria doméstica. Já nos demais países, o longa faturou US$ 45,6 milhões. No total, o terror já arrecadou US$ 98,2 milhões mundialmente.

Dirigido e escrito por Leigh Whannell (Upgrade), o longa acompanha a história de Cecilia Kass (Moss), uma mulher presa em um relacionamento controlador e violento com o rico e brilhante cientista Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen). Cansada da situação, ela decide desaparecer certa noite, mas o seu ex abusivo acaba cometendo suicídio e a deixa em uma situação complicada. Em pouco tempo, Cecilia começa a desconfiar da verdade por trás daquela terrível morte. É o início de uma doentio jogo criado por ele para levá-la à insanidade.

O Homem Invisível está em exibição nos cinemas brasileiros.

Assista ao trailer:

Confira algumas críticas:

“Com especificidade e empatia devastadoras por sua heroína, Whannell transformou o arquétipo do homem invisível em um filme incrivelmente tenso e cheio de suspense, explorando o horror psicológico do abuso íntimo de parceiros.” – Katie Walsh, Tribune News Service.

“Aterrorizante, única e uma das melhores experiências de terror deste ano.” – Adam Patterson, Film Pulse.

“Não é exatamente o que parece, mas ainda apresenta uma performance fenomenal de Elisabeth Moss e mais uma prova de que Leigh Whannell tem um olho estelar para sustos e ações altamente criativos e eficazes.” – Perri Nemiroff, Collider Video.

“A performance de Moss – ancorada por seu rosto extraordinariamente flexível – dá ao filme suas apostas emocionais.” – Manohla Dargis, New York Times.

“Elisabeth Moss é um evento de atuação sozinha, uma versão moderna de Bette Davis, e ‘O Homem Invisível’ lhe dá a chance de incorporar todos os tipos de extremos emocionais – terror, pavor, loucura, tristeza inconsolável e raiva assassina.” – Mick LaSalle, San Francisco Chronicle.

“Uma divertida e nervosa fatia de horror psicológico cujos melhores momentos não são seus inúmeros pulos de sustos (embora sejam, de fato, extremamente nervosos), mas os mais silenciosos e mais existenciais.” – Leah Greenblatt, Entertainment Weekly.

 

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.