Samantha Ware abre o jogo e conta que Lea Michele a ameaçou diante de dezenas de atores

Lea Michele
Lea Michele (Reprodução)

A atriz Samantha Ware abriu o jogo e falou abertamente sobre o comportamento de Lea Michele no set de Glee. A protagonista foi acusada de ter um comportamento abusivo com os colegas, e muitas vezes racista. Em entrevista à revista Variety, ela comentou que a colega não foi com sua cara desde o primeiro dia.

“Eu percebi desde quando tentei me apresentar, e não foi algo gradual. Ela decidiu que não gostava de mim, e isso ficou muito evidente. Mas tudo ficou pior depois da minha primeira apresentação, foi quando tudo de fato começou. O tratamento silencioso, os olhares, os comentários em voz baixa, um jeito passivo-agressivo estranho”, contou.

Samantha Ware nunca entendeu as motivações de Lea Michele, embora seu currículo possa te-la assustado. Samantha era cinco anos mais jovem que Lea quando entrou na série aos 23 anos (durante a sexta e última temporada), e já tinha estado na Broadway como Nala de O Rei Leão, além de protagonizar outros musicais como O Livro de Mórmon, e Chicago. Sua primeira aparição em Glee, foi cantando a música Tightrope, de Janelle Monáe.

A atriz contou à publicação que certa vez, Lea fez um escândalo na frente de uma dezena de atores, figurantes e bailarinos ao ameaça-la de demissão, mas que não a denunciou para os diretores da Fox, porque não sabia que existia essa opção, afinal era a primeira vez que fazia televisão na vida.

Tudo aconteceu durante a gravação de uma cena em que ambas estavam cantando e dançando, e Lea Michele, ao perceber que a câmera não estava focada nela, parava de fazer parte da coreografia. “Quando você está gravando uma cena, algumas vezes a câmera está em você e outras não, mas você ainda precisa estar em cena. Mesmo quando a câmera não estava em mim, eu continuava interpretando e ela entendeu isso como um desrespeito a ela. Ela esperou até que a cena terminasse, parou no meio do palco e fez um gesto de ‘venha aqui’, como uma mãe faz para seu filho. ‘Você precisa vir aqui agora’”, contou Ware sobre a exigência da colega.

Como Ware se recusou a ir pois já estava se sentindo humilhada, acabou sendo ameaçada. “Eu disse ‘não’, e foi aí que ela decidiu ameaçar o meu trabalho e disse que ligaria para Ryan Murphy para me despedir”, o que ela não acredita que tenha acontecido, dizendo que Lea usou o nome do showrunner e criador da série apenas para assustá-la.

Ware contou que após isso, tentou conversar com a protagonista, mas foi em vão: “Quando tentei falar por mim mesma, ela me disse para calar a boca, e que eu não merecia ter esse emprego. Ela falou sobre como ela reinava ali dentro. E eis o seguinte: eu entendi completamente isso e estava pronta para dizer: ‘OK, este é o seu programa. Não estou aqui para ser desrespeitosa, mas naquele momento, já estávamos superando o respeito e ela estava apenas abusando de seu poder”.

“Como as ações de Lea não eram novidade, achei que era tão comum aquilo, que não me parecia grande coisa. Lembro-me do primeiro dia em que realmente falei com as pessoas sobre isso, infelizmente, ninguém fez nada. Eles apenas deram de ombros, dizendo ‘ela é assim’. Ninguém a impedia, o que é um problema, porque o ambiente estava ajudando a perpetuar esse abuso”.

Tudo isso começou quando Lea Michele publicou um tweet em apoio ao movimento Black Lives Matter, e foi ironizada por Samantha Ware, que respondeu a postagem dizendo que por racismo, Lea havia transformado sua primeira experiência na TV num inferno. Isso fez com que outros atores da série, e até atores de outras produções que Lea fez parte se manifestassem, endossando o quanto era desagradável trabalhar com ela. Nem a Fox Television, nem a equipe de Ryan Murphy quiseram comentar o assunto quando procurados pela revista Variety.