Série de Chucky terá protagonista gay, mas detalhe chama mais atenção na história

Brinquedo Assassino
Brinquedo Assassino (Imagem: Divulgação)

Sucesso nos filmes da franquia Brinquedo Assassino, Chucky vai ganhar uma série para chamar de sua transmitida pelo canal SYFY. Com a indústria do entretenimento completamente paralisada por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus, os planos de gravação ficam um tanto prejudicados, já que a intenção do canal era dar a largada nas filmagens a partir de julho deste ano para começar a exibição próxima fall season em outubro.

Agora, novos detalhes parecem surgir acerca da série, e de seu protagonista. Segundo o canal 3C Filmes no YouTube, o show será liderado por um garoto em idade escolar identificado como abertamente gay. O curioso neste caso não é a sexualidade do personagem, e sim as contradições que podem gerar, um pré-adolescente aparecer num programa de televisão com um personagem gay nesta faixa de idade.

A série de filmes Brinquedo Assassino ganhou aplausos da comunidade LGBT por defender a fluidez de gênero em sua quinta aventura, chamada no Brasil de O Filho de Chucky. A sequência de 2004 introduziu a filha de Chucky e Tiffany, Glen/ Glenda, dublada nos Estados Unidos por Billy Boyd, estrela de Senhor dos Anéis, então não seria surpreendente ver o programa de TV arvorando bandeira pela diversidade também.

A série de TV que provavelmente deve receber o nome de Chucky, está em produção na SYFY há mais de um ano, e de acordo com notícias prévias, retratará uma cidade americana idílica que é lançada no caos quando um boneco Bonzinho vintage aparece em um tipo de brechó improvisado no jardim de uma casa. Aliados e inimigos do passado do brinquedo assassino aparecerão no show, que também mergulhará na história não contada da origem de Charles Lee Ray, o serial killer cuja alma se refugiou no boneco ruivo.

Don Mancini – que escreveu todos os filmes do Brinquedo Assassino e dirigiu três deles – construiu a história da série de TV e atuará como showrunner, além de comandar pessoalmente o primeiro episódio.