Série em áudio de Doctor Who apresentará primeira companheira trans

Rebecca Root (Foto: Divulgação)
Rebecca Root (Foto: Divulgação)

Por muito tempo os programas de áudio do Big Finish vem trazendo novas histórias baseadas em Doctor Who, expandindo o universo do cientista viajante do tempo e seus notáveis companheiros. A série aprofunda ainda mais o que acontece na série principal, trazendo novas visões, e fechando pontas soltas através de vários escritores

Neste mês, a série me áudio trará uma novidade e um marco na representação trans na série. Segundo o site Nerdist, a Big Finish trará a primeira personagem trans para o elenco principal de Doctor Who, cujo nome é Tania Bell é interpretada pela atriz Rebecca Root. A nova série de áudio leva o nome de Stranded e se baseia nas histórias do oitavo doutor, vivido  por Paul McGann. Root ficou conhecida pro seus papéis nos filmes Uma Segunda Chance Para Amar e Os Irmãos Sisters.

Confira abaixo o cartaz de Stranded:

Doctor Who: Stranded (Foto: Divulgação / Big Finish)
Doctor Who: Stranded (Foto: Divulgação / Big Finish)

Rebecca Root ainda deu um entrevista para o site Nerdist onde falou um pouco sobre sua personagem. Questionada sobre a diferença entre um trabalho feito para as telas e um trabalho para áudios, a atriz respondeu: “A atuação para o áudio realmente difere apenas porque você não precisa aprender suas falas – um alívio quando a vida está super ocupada – e você não precisa se mexer muito. Além disso, abordo um papel de áudio como faria com qualquer outro. Certamente, tenho que preparar minha voz rigorosamente e fazer todo o dever de casa que faria para qualquer outro personagem”.

Ao ser perguntada se ser a primeira companheira trans a fazer parto do cânone de Doctor Who influenciará em seu desempenho, Root disse: “Na verdade não. Ela é uma pessoa como todas as outras pessoas que eu já interpretei e espero intepretar no futuro. Ela não é perfeita, mas não é uma bagunça e, certamente, não acho que a identidade de gênero dela influencie seu comportamento na história”.

Rebecca Root ainda falou sobre como seria ter uma personagem como Tania se aventurando ao lado do Doutor no passado: “Teria sido incrível ver uma pessoa trans em um programa como Doctor Who. De fato, ver um período de pessoas trans teria sido incrível. Mas eu [cresci] nos anos 70 e a sociedade era diferente naquela época, e a identificação de gênero não era realmente ‘uma coisa'”.