Seu Jorge convida público para conhecer seu filme e alfineta Vingadores

Marighella
Marighella (Foto: Divulgação)

Enquanto divulgava sua nova série para a Netflix, “Irmandade”, Seu Jorge não deixou de comentar também sobre o seu filme “Marighella”, dirigido por Wagner Moura e que teve estreia cancelada aqui no país.

Junto com a atriz Naruna Costa, o ator foi convidado do programa da Radio Jovem Pan, Morning Show, desta quinta-feira, dia 10, e aproveitou para ironizar os Vingadores, enquanto tentava chamar atenção para o filme.

“Acho que todo brasileiro deve assistir a esse filme. É uma proposta de arte que não veio para atacar nada. Passam três horas assistindo um malandro jogando teia no outro… Nos Vingadores o cara fica lá três horas esperando o Homem de Ferro morrer. Aqui é só um filme contando a história do nosso país. História que pouca gente tem conhecimento”, cutucou o ator, que é protagonista de Marighella.

Sobre as críticas à produção e o cancelamento do longa, ele diz: “Peru de véspera. Como diz o Gilberto Gil: ‘É o excesso!’ Eu acredito que vai estrear por aqui uma hora. E vai mudar tudo que está sendo fomentado agora”, minimizou Seu Jorge.

A série Irmandade, criada por Pedro Morelli, foi gravada em Curitiba e além de Seu Jorge, traz Naruna Costa, Hermila Guedes, Lee Taylor, Danilo Grangheia, Wesley Guimarães e Pedro Wagner no elenco.

“Quando o Pedro trouxe esse trabalho a pesquisa já estava pronta. O que ele conta é uma série de ficção sim, mas não foi necessariamente inspirada no Primeiro Comando da Capital (PCC). Ele fez pesquisas e estudos anteriores a esse evento para poder ter base e não sair fazendo coisas sem fundamento. Mas o que eu entendo é que ele desenvolveu a série da cabeça dele… Pegou alguns dados, pesquisas, mas não tem nada a ver…”, falou o ator ao compararem a série com uma das maiores facções criminosas do país.

Durante a conversa também falaram sobre o papel representativo que “Irmandade” faz ao mostrar a realidade negra. “Acredito que a passos lentos a gente vem conquistando espaço. Esse caso específico eu acho que vai ser um marco mesmo. Tem muita coisa conectada nesta dramaturgia em especial. Além do protagonismo ser efetivamente negro, tem uma relação de um casal que não é um casal romântico… É uma outra perspectiva que a gente não costuma ver na dramaturgia nacional”, disse a atriz Naruna Costa.

“Quem é negro sabe o que é contrariar as estatísticas. A protagonista cresce na periferia e se torna uma advogada no Ministério Público. Essa qualidade que foge dos estereótipos é o maior ganho desse projeto. Coisa que a gente vê muito raramente. A gente pensa sempre em quantidade. E a gente quer ver isso também, mas neste caso específico a questão da qualidade avança alguns passos. A Irmandade traz conteúdo, estética e representatividade. E isso é um caminho que avança alguns passos nessa nossa luta de ocupação desses espaços que sempre foram muito restritos a nós”, relata a atriz.

A série estreia no próximo dia 25 de outubro na Netflix e irá mostrar a história de um presídio e uma advogada honesta em meio a uma facção criminosa. “Não fiz nada sozinho. Foi um trabalho coletivo que juntou muita gente boa”, disse Seu Jorge.

Assista ao trailer da série “Irmandade”:

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.