Sobrecarga de acessos faz com que Netflix tenha sérios problemas

Netflix
Logomarca da plataforma norte-americana de streaming Netflix (Reprodução/YouTube – Netflix Brasil)

O que algumas pessoas já tinham previsto, agora é uma realidade: A Netflix começou a enfrentar um tipo de colapso devido à sobrecarga de acesso, com direito a várias reclamações em todo o mundo. 

Há cerca de duas semanas, a União Européia entrou em contato com a plataforma para solicitar que ela pudesse diminuir a qualidade do streaming caso notasse uma sobrecarga, para possibilitar que todas as pessoas que atualmente estão em suas casas em isolamento social possam ter acesso ao conteúdo. A preocupação do comissário europeu para o mercado interno, Thierry Breton era não só em relação ao entretenimento mas também a uma atenção para quem trabalha em casa e precisa da internet disponível. 

“Para combater a COVID-19, nós ficamos em casa. Trabalho remoto e streaming ajudam muito, mas as infraestruturas podem estar sob tensão”, explicou ele ao fazer o pedido de redução à empresa, que respondeu na ocasião que já possuía um mecanismo para limitar a qualidade de um filme caso a internet tivesse uma diminuição da velocidade. 

Porém logo após isso, a empresa disse que iria intervir: “Devido aos desafios extraordinários criados pelo coronavírus, a Netflix decidiu começar a reduzir a taxa de bits em todas as nossas transmissões na Europa”.

Mas o pior aconteceu. Na última quarta-feira, 25 de março, o streaming simplesmente ficou fora de ar para alguns usuários dos Estados Unidos e Europa. “Alguns de nossos membros nos EUA e na Europa não conseguiram usar a Netflix por meio de nosso site por cerca de uma hora esta manhã. O problema está resolvido e pedimos desculpas pelo inconveniente”, revelou um porta-voz da Netflix para a revista Variety. 

Entre os problemas relatados estavam a falta de conexão com a Netflix, e problemas de transmissão de vídeo, além de erros de conectividade. Uma operadora estadunidense de internet, revelou que entre os dias 20 e 21 de março, o tráfego da Netflix atingiu níveis recordes.