Stephen Amell, de Arrow, rebate escritora que o acusou de racista

Stephen Amell
Stephen Amell (Reprodução/ Youtube)

O movimento Black Lives Matter tem deixado os ânimos exaltados sobretudo em relação aos artistas. E isso aconteceu recentemente com Stephen Amell, a estrela da série Arrow. Ele tem um podcast que apresenta semanalmente e conversa com diversos convidados. Nesta semana seria a vez de Grant Gustin bater um papo com o colega e falar sobre sua jornada como o Flash na televisão, mas acabou dispensando o convite por causa dos protestos, e tudo o que tem acontecido em Los Angeles.

Foi então, que Amell usou seu Twitter para explicar a ausência do amigo, em um vídeo: “Divulgação completa: Grant Gustin deveria ser o convidado desta manhã. Ele me mandou uma mensagem muito educada e calma ontem e disse que, com tudo acontecendo em Los Angeles, talvez esse não seja o momento apropriado para passar 45 minutos conversando sobre como ele se tornou uma estrela de televisão tão gigante e adorável”, explicou ele.

Um fã então compartilhou o tweet de Amell, escrito “Grant Gustin dizendo a Stephen Amell que não irá participar de seu podcast, enquanto ele está ganhando dinheiro com anúncios durante o movimento Black Lives Matter”. Neste momento a escritora de quadrinhos Tee Franklin resolveu entrar na conversa e acusar Amell de racismo.

“F-k @StephenAmell ele está nos mostrando seu racismo por um bom tempo agora, assim como a esposa dele [Cassandra Jean Amell]. Grant Gustin também não deve ser absolvido, porque DEFINITIVAMENTE não apoiou e falou por [Candice Patton]”, escreveu ela citando a atriz que faz o papel de Iris na série. Stephen então rebateu as acusações: “Você me acertou em cheio. Eu acabei de te seguir, então se você precisar de algo, ou se quiser me ajudar a entender melhor, me ligue e podemos conversar”.

“Não sei ao certo por que seu tom é condescendente, mas não sou favorável a isso. Isso de ‘espero que você se sinta melhor’, não faça isso, Stephen. Nada do que faço ou digo quando defendo o racismo me faz sentir melhor. Eu não sou a única mulher negra que te criticou, então eu sei que você já teve essas conversas. O silêncio é cúmplice, enquanto brincar de ser ignorante é ridículo. Você é pai e alguém com 30 anos, não é novo no racismo e se acredita que Toronto não é racista, esse é seu privilégio. Eu não deveria ter que ‘ajudar você a a entender o que você faz e diz ser prejudicial. Essas são coisas que são um comportamento já aprendido”, rebateu a autora que algumas horas depois publicou: “Depois de falar com Stephen, ele me chamou educadamente via DM, não em público, então ele pediu para me seguir, eu recusei pois ‘não sou trampolim’. Eu respondi, e vamos seguir a vida. E aqui estou depois de 12 horas. O avatar dele ficou preto, e ele não me seguiu ou respondeu mais. Privilégio branco é selvagem”, escreveu ela, que ainda relatou ter recebido diversas mensagens diretas acusando o astro de atos racistas.