Tudo o que você precisa saber sobre o reboot de Gossip Girl

Gossip Girl (Divulgação)

Vem aí uma nova Gossip Girl. Depois de boatos que começaram a surgir em julho de 2019, a Warner Bros bateu o martelo e confirmou que está fazendo uma espécie de reboot para a produção voltada para seu novo serviço de streaming que estreia em maio, o HBO Max. O foco ainda é uma tradicional escola particular de Nova Iorque, onde se concentram as proles da elite, futuros donos das principais fortunas da cidade, ao mesmo tempo que lidam com fofocas e escândalos sobre suas vidas pessoais.

A primeira adição da série, foi Emily Alyn Lind, que será a protagonista de nome Audrey, uma garota que está em um longo relacionamento, mas acaba se questionando sobre a importância daquilo. Para quem não se lembra a atriz foi responsável por viver Amanda Clarke em flashbacks na série Revenge (2011 a 2015). Outros atores também foram escalados como é o caso de Whitney Peak, atriz canadense que esteve recentemente em Chillings Adventures Of Sabrina interpretando Judith Blackwood. Também foi confirmada a presença de Eli Brown, de Pretty Little Liars: The Perfecctonist,  Johnathan Fernandez, de Lethal Weapon e Jason Gotay, que também estará no elenco da série Love Life. Detalhes sobre seus personagens ainda são mantidos em segredo.

Os criadores da série original que foi ao ar de 2007 a 2012, Josh Schwartz, e Stephanie Savage garantem que a nova produção não será bem um reboot, apenas no modo como as histórias são contadas, mas terá outros personagens, e se passará muito depois da extinção do antigo site Gossip Girl, mostrando o quanto a interação e o uso constante das mídias sociais mudou de lá para cá.

“Sentimos que havia algo interessante na ideia de que agora todos somos Gossip Girl. Somos todos fornecedores do nosso próprio estado de vigilância nas mídias sociais, e isso evoluiu muito. Acreditamos que é o momento certo de contar essa história através de uma nova geração de adolescentes do ensino médio do Upper East Side”, disse Scwartz, que disse ainda não descartar a ideia de ver alguém do elenco antigo na série, embora entenda suas limitações, já que eles interpretaram esses personagens por muitos anos.

Até onde se sabe a nova versão mostrará um pouco mais de diversidade étnica, e sexual, algo que faltava ao primeiro programa de acordo com o produtor Josh Safran: “Não havia representatividade. Eu acho que fui o único escritor gay que estive lá o tempo todo. Mesmo quando fui para uma escola particular em Nova Iorque nos anos 90, a escola não refletia exatamente o que víamos em Gossip Girl. Portanto, desta vez, os protagonistas não são brancos. O programa agora mostrará de onde vem a riqueza, e como se lida com os privilégios. Tudo isso se relaciona a distorção”, revelou.  A série que contará com apenas 10 episódios por temporada ainda não tem data para estrear.