Selton Mello
Selton Mello em cena de Sessão de Terapia, uma das novidades do Globoplay (Imagem: Reprodução/Globoplay)
  • por Victor Hugo Morais

Nos últimos tempos, a Globo voltou seus olhares para o mercado de streaming, cada vez mais ascendente enquanto TVs aberta e paga perdem público. Porém, apesar dos investimentos, ainda falta muito para que chegue aos pés da Netflix.

Para começo de conversa, dependendo do dispositivo, o aplicativo trava com frequência irritante. Em TVs smart, por exemplo. O app até melhora caso seja transmitido pelo Chromecast, porém, também trava e o conteúdo retorna para o início, e não no minuto em que estava antes do problema técnico. E isso vale tanto para séries e filmes quanto para os produtos produzidos pela Globo.

Além dos problemas técnicos, há a questão de que o dispositivo anuncia novidades, mas demora a disponibilizá-las.

Por exemplo, executivos disseram recentemente que optam por colocar as temporadas das séries aos poucos. Will & Grace, recém retomada para novos episódios, teve temporadas disponibilizadas a conta gotas, o mesmo que ocorreu com The Big Bang Theory. Ou seja, quem deseja maratonar os seriados, não tem como, mesmo se tratando de episódios já transmitidos há muito tempo nas TVs.

Pesa também contra o serviço a “mentira”. A Globo anuncia suas produções como exclusivas para a plataforma e tempos depois as disponibiliza na TV, como é o caso de Assédio. Ou seja, segue o mesmo expediente de sempre, disponibiliza primeiro na Globoplay e depois na TV, não há exclusividade nenhuma, apenas tenta fisgar assinantes.

Outra coisa irritante, é o fato do app deslogar com frequência, fazendo com que o usuário perca tempo se conectando novamente.

E dentre as promessas nunca cumpridas pelo streaming da Globo, está a programação ao vivo em todo o país, anunciada logo que o serviço foi disponibilizado em substituição ao Globo.tv em 2015.

Recentemente, executivos do Grupo Globo disseram que é caro disponibilizar a programação ao vivo e que isso também envolve direitos autorais. Porém, algumas praças são privilegiadas, enquanto o GloboSat Play sai na frente com todos os canais ao vivo na plataforma. Então, por que não disponibilizar o sinal da Globo nas parabólicas para o Globoplay? Afinal, a demanda pela programação ao vivo é alta.

Colocar legendas ou usar a opção dublada é outra novela, algo que precisa configurar para cada episódio a ser assistido.

Fato é que, por enquanto, o Globoplay, apesar do excelente acervo, é comparado ao Fox Play, também com diversos problemas para ser usado. Ambos perdem para a Netflix, melhor com vantagem entre todos, seguida por Amazon Prime Video e HBO Go.

Comentários

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui