Warner detalha estratégia para gravações e lançamentos na pandemia

Ann Sarnoff, CEO da Warner Bros (Imagem: Divulgação)

A CEO da Warner Bros Ann Sarnoff comentou ao The Hollywood Reporter como concilia o cronograma das produções do estúdio foi afetado pelas restrições  impostas pela pandemia de Covid-19.

Enquanto Tenet, último lançamento da Warner mantém um desempenho relativamente bom nos cinemas americanos, ainda enfraquecidos, a produção de “The Batman” foi paralisada com a notícia de que Robert Pattinson contraiu o coronavírus.

“Acho que nunca esperamos que as coisas corressem tranquilamente”, disse ela. “Na verdade, à medida que preparamos nossos protocolos, criamos contingência. Se alguém der positivo, você faz o rastreamento de contato, faz uma pausa, avalia e volta quando pode. Acho que seria ingênuo pensar que não teríamos certos casos em certas produções. O mais importante é estar pronto para quando isso acontecer. E estávamos muito prontos”.

Segurança na retomada das produções da Warner

Para a executiva não haverá mudanças “Até que haja uma solução médica”. Enquanto isso, ela conta: “Estamos apenas procedendo como se não houvesse (a solução) e retomando a produção com a maior segurança possível”.

A CEO resumiu a situação da Warner da seguinte forma: “Você tem que abrir em mercados onde puder. É o mesmo com a produção. Você produz quando pode”, explicou ela.

Sobre Tenet, a executiva falou sobre o enfrentamento que o lançamento tradicional nos cinemas como um primeiro grande teste para saber se um gigante de Hollywood pode prevalecer em maio à pandemia.

“Exatamente quando o COVID apareceu, começamos a procurar maneiras alternativas de pensar sobre o lançamento de filmes”, contou Sarnoff. “Conforme o verão se desenrolava, começamos a pensar em maneiras mais inovadoras de lançar o filme”, acrescentou.

“Os cinemas foram muito francos ao dizer que poderiam nos dar de três a quatro vezes mais telas do que o normal”, revelou ela que ainda garantiu que uma estreia para plataformas On Demand não chegou nem a ser uma questão.

“Começamos a monitorar o comportamento das pessoas que voltavam aos restaurantes e teatros ao ar livre”, explicou. “Nossa abordagem é nunca fazer ninguém ir ao teatro se não se sentir confortável”, defendeu.

Sarnoff ainda defendeu que é necessário paciência para enfrentar o cenário. “Você tem que abrir em mercados onde puder. É o mesmo com a produção. Você produz quando pode”, concluiu.

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.