Winona Ryder acusa Mel Gibson de comentários homofóbicos e antissemitas e ator responde

The Plot Against America
The Plot Against America (Imagem: Divulgação / HBO)

Em uma nova entrevista a atriz Winona Ryder, relatou ter ouvido comentários antissemitas e homofóbicos do também ator e diretor Mel Gibson há alguns anos. Segundo a estrela de Stranger Things, tudo aconteceu numa festa em que ambos estavam presentes nos anos 90.

Perguntada pelo The Sunday Times se já havia sido vítima de antissemitismo, ela respondeu positivamente: “Eu já… De formas interessantes. Houve ocorridos em que as pessoas disseram, ‘espera, você é judia? Mas você é tão bonita!’. Há algum tempo eu ia fazer um filme de época e o chefe do estúdio, também judeu, disse que eu parecia ‘judia demais’, para estar em uma família de sangue azul”, disparou ela.

Em seguida falou sobre Mel Gibson: “Nós estávamos em uma festa, eu estava com um grande amigo. E o Mel Gibson estava fumando um cigarro, estávamos todos conversando e ele fala para o meu amigo gay, ‘espera, eu vou pegar AIDS?’. Depois veio algo sobre judeus e ele perguntou: ‘você não é um oven dodger, é?’, contou ela. Oven Dodger é uma expressão usada para designar judeus que conseguiram escapar dos fornos dos campos de concentração da Segunda Guerra Mundial.

O ator já foi acusado de preconceito em outras ocasiões inclusive quando foi preso em 2006 por dirigir bêbado, e foi filmado fazendo diversas ofensas aos policiais envolvidos. Através de um representante, Gibson disse que Winona tem mentido por décadas sobre isso. “Ela mentiu sobre isso há mais de uma década, quando conversou com a imprensa e está mentindo sobre isso agora. Ela mentiu sobre ele tentando se desculpar com ela naquela época. Ele a procurou, há muitos anos, para confrontá-la sobre suas mentiras e ela se recusou a falar com ele”, disse um porta-voz do ator.

Ryder respondeu através de um comunicado enviado para a revista Variety: “Acredito na redenção e no perdão, e espero que Gibson tenha encontrado uma maneira saudável de lidar com seus demônios, mas eu não sou um deles. Por volta de 1996, meu amigo Kevyn Aucoin e eu estávamos recebendo as palavras odiosas dele. É uma lembrança dolorosa e vívida para mim. Somente aceitando a responsabilidade por nosso comportamento nesta vida, podemos fazer as pazes e respeitar verdadeiramente um ao outro, e desejo-lhe felicidades nesta jornada ao longo da vida”.