Fábio Porchat detona governo de Jair Bolsonaro e rasga o verbo

Fábio Porchat
Fábio Porchat criticou o governo Bolsonaro (Divulgação)

Nos últimos dias o apresentador Fábio Porchat participou do programa “Roda Viva”, da TV Cultura e, direto e reto, criticou profundamente o governo de Jair Bolsonaro. Na ocasião, o comunicador afirmou que, há uma espécie de manipulação na política do presidente.

“Esse governo se apropriou da narrativa. Como o Lula sabia chegar no povão, esse governo entendeu que as pessoas estão ‘revolts’, a gente adora uma teoria da conspiração. Essa gente que cria isso assumiu o poder. Eles não governam, eles se vingam”, começou ele.

Em seguida, o artista usou o termo “mente diabólica”, para criticas as supostas manipulações políticas.

“Quando vem uma mente diabólica do mal para controlar essas pessoas, ele consegue pegar essa massa de manobra que é a nossa população, que sou eu, que é você, com a maioria de uma população pouco instruída. Então as pessoas estão muito carentes, elas precisam de qualquer coisa. E se qualquer coisa for a vacina que vai transformar em jacaré, então tá bom”, afirmou ele.

Carreira

Com o sucesso de “Que História É Essa Porchat?“, o artista comentou para a revista Quem que, sentiu a necessidade de contar e ouvir histórias de outras pessoas.

“Me dei conta de que está todo mundo lacrando o tempo todo, e é ótimo que a gente tenha espaço para dar nossas opiniões, mas sinto que em todo lugar a pessoa quer falar sério. A gente estava precisando de um programa em que as pessoas não tenham que lacrar. Não quero saber a opinião da pessoa sobre machismo ou racismo, quero só ouvir uma história”, afirmou ele.

Em seguida, Porchat detalhou sobre a ideia do programa que, recentemente foi exibido em vários episódios pela TV Globo.

“Antes era eu a serviço de um formato, agora criei um formato que está a meu serviço. Eu sei contar histórias, improvisar, ouvir pessoas e pegar histórias para torná-las engraçadas. O formato estava muito claro na minha cabeça. Sentei com uma equipe para me ajudar a solidificar tudo. Já tinha ideia de entrevistar anônimos e famosos”, contou ele.

Ao concluir, o muso afirmou que, é difícil transformar entretenimento em algo leve, já que os assuntos sempre levam assuntos para a política do Brasil.

“Hoje em dia tudo acaba em Bolsonaro. As pessoas querem um momento de não falar dele, quem é fã e quem odeia, tem hora que fala ‘me deixa’ O programa tem esse lugar, de assistir e dormir leve”, finalizou ele.

Veja mais ›