Ludmilla comenta inspiração de nova música sobre veneno: “observo ao meu redor”

ludmilla internada
Ludmila comentou sobre a nova música (Reprodução: Instagram)

Ludmilla vem lançando diversas novidades em tempos de quarentena por conta do coronavírus, e depois de mostrar ao público o seu primeiro EP de pagode, a cantora acaba de lançar a sua mais nova música, acompanhada de um mega clipe, com uma mensagem bem ousada.

Em entrevista à revista QUEM, questionada sobre uma possível dificuldade em produzir conteúdos em tempos difíceis, a artista afirmou que ao menos tenta ser criativa. “Temos que tentar (risos). Estou com projetos novos de trabalho, como a série “Arcanjo Renegado”, da qual vou participar na segunda temporada, e a minha música nova, “Cobra Venenosa”, que está sendo lançada”, iniciou a musa, que continuou, e comentou sobre uma de suas estratégias para divulgar o novo single.

Eu e minha equipe trabalhamos muito para esse lançamento, tivemos muitas ideias, como o apagão nas minhas redes sociais, uma das estratégias de lançamento da música, os vídeo do pré-lançamento, trabalhamos muito no clipe. Está sendo uma quarentena de muito trabalho“, desabafou a cantora.

INSPIRAÇÃO DA MÚSICA

Com uma letra bem pesada, pedindo para a pessoa limpar o seu próprio veneno, a funkeira admitiu que a inspiração para escrever a letra, veio de diversas observações. “A minha inspiração vem de coisas que eu observo ao meu redor, não necessariamente as que já passei. Em “Cobra Venenosa” não é diferente. Escrevi essa música há três anos. Quis falar sobre a força e a potência que são as mulheres unidas, como isso pode ser o antídoto para os venenos que a gente encontra no dia a dia como preconceitos e fake news. Nessa rede de apoio, encontramos força para continuar”, comentou ela.

Ela continuou, e concluiu dizendo sobre a importância das mulheres se unirem. “Outra coisa que quis mostrar também foi que justamente por estarmos nessa juntas, é possível que apontemos questões umas das outras e assim a gente evolua e melhore. Não tenho que simplesmente aceitar tudo de outra mulher porque ela é mulher e eu também. É preciso haver um espaço de debate, crítica para que a gente evolua junto”, finalizou Ludmilla.

Veja mais ›